Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Mundial 2014: eliminação precoce é o fim de uma era para Espanha

A chocante eliminação da Espanha do Campeonato Mundial, esta quarta-feira (18), sinaliza um final vergonhoso para uma fase brilhante de seis anos, durante os quais a nação ibérica dominou todos diante de si, arrebatando o seu primeiro título mundial e enfileirando troféus europeus.

O primeiro grande sucesso espanhol veio no Campeonato Europeu de 1964, e depois os adeptos amargaram mais de quatro décadas de promessas vazias que finalmente terminaram com a vitória de 1 x 0 sobre a Alemanha na final da Euro 2008.

Vicente del Bosque assumiu o cargo do falecido técnico Luis Aragonés depois do triunfo em Viena, e o sucesso continuou. A equipa erguida ao redor de talentos como o capitão e goleiro Iker Casillas, os meio-campistas Xavi, Xabi Alonso, Andrés Iniesta e Cesc Fábregas e os atacantes David Villa e Fernando Torres deu sequência com as vitória no campeonato de 2010 e na Euro 2012.

Del Bosque só precisou de fazer um ajuste aqui e ali na equipa e, com uma série de campeões comprovas teoricamente ainda próximos do auge das suas carreiras, a Espanha era vista por muitos como tendo uma bela chance de se tornar uma das três nações a defender o seu título com sucesso, como a Itália em 1938 e o Brasil em 1962.

Mas não era para ser. O torneio dos espanhóis começou de forma chocante, quando a Holanda lhes infligiu sua pior derrota num Mundial em mais de 60 anos na surra de 5 x 1 da estreia – doce vingança dos holandeses pela derrota na final de 2010.

Del Bosque manteve a calma no meio dos maus augúrios dos jornais desportivos espanhóis, como fez quando a Espanha sofreu uma derrota surpreendente de 1 x 0 para a Suíça na África do Sul quatro anos atrás.

Ele fez algumas mudanças na equipa para a partida desta quarta-feira contra o Chile, tirando Xavi e escalando o atacante Pedro e recolocando o zagueiro central Gerard Piqué ao lado de Javi Martínez. Mas a Espanha simplesmente não esteve à altura da tarefa, e os sul-americanos pareceram mais famintos e bem preparados, saindo com uma vitória de 2 x 0 merecida.

Foi, de certa maneira, apropriado que o fim do triunfo espanhol na elite do futebol tenha coincidido com o dia em que o rei Juan Carlos renunciou formalmente para entregar o poder ao seu filho, o príncipe Felipe, depois de um reinado de 39 anos.

Reconstrução

A escala do fracasso espantoso da Espanha pode ser medida pelo facto de que em 19 partidas rumo à conquista da Euro 2008, os campeões mundial e europeu só sofreram seis golos, um a menos que no Brasil em meros dois jogos. A tarefa de Del Bosque agora é redescobrir o seu toque mágico e reconstruir a equipa antes de defenderem a sua coroa europeia daqui a dois anos.

Muitos dos jogadores que ajudaram a Espanha a tornar-se uma das selecções mais bem-sucedidas na história do futebol, como Casillas, Xavi e Alonso, quase certamente não estão presentes no torneio na França, e há uma série de joves pretendentes à espera da sua chance. David De Gea está a ser preparado para assumir o golo, e Koke, que entrou como reserva no intervalo, esta quarta-feira, é visto como sucessor natural de Xavi.

Del Bosque também irá contar que o atacante Diego Costa, nascido no Brasil, repita parte do que mostrou para ajudar o Atlético de Madri a conquistar seu primeiro título espanhol em 18 anos e chegar à final da Liga dos Campeões na última temporada.

Jogadores como Fábregas, Sergio Ramos, Martínez, Pedro e Busquets ainda têm muito a oferecer, e os zagueiros Jordi Alba e Cesar Azpilicueta estão nos estágios iniciais das suas carreiras internacionais. Para os adeptos, ficam as lembranças de seis anos gloriosos no topo do mundo.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!