Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

“DS Commander” já iniciou embarque da segunda remessa de carvão para exportação

O navio “DS Commander” iniciou, no passado dia 4, o embarque da segunda remessa de carvão de exportação da mineradora brasilera Vale através do Porto da Beira.

 

 

Refira-se que este navio proveniente do Porto de Fujairah, nos Emiratos Árabes Unidos, chegou ao largo do Porto da Beira no passado dia 18 de Setembro, onde permaneceu durante esse tempo todo a espera os volumes de carvão por embarcar.

A semelhança do “Orion Express”, nomeadamente o primeiro navio a embarcar carvão de exportação da Vale produzido em Moatize, o “DS Comamander” vai igualmente embarcar 35 mil toneledas do produto, cujo destino final não é ainda conhecido.

Uma fonte envolvida na operação de embarque desse segundo volume de carvão de exportação da Vale disse ao o Autarca a mesma deverá estar concluída no espaço de pelo menos oito dias, recordando que a demora deve-se ao facto de as obras de construção do terminal específico para o manuseamento do minério no Porto da Beira não terem sido concluídas.

Trata-se de um terminal moderno, dotado de equipamentos concebidos de acordo com a tecnologia de ponta, o qual será operado pela Cornelder de Moçambique, concessionário do Porto da Beira.

Segundo O Autarca, o comandante do navio “DS Commander” é de nacionalidade correana, Jang Seung Woon. O navio mede 185.74 metros de cumprimento e 26.65 metros de largura, com um peso de 26.065 toneladas.

Quando carregado o seu calado atinge 9.5 metros. Tem cinco porrões que acoplam igual número de paus de carga. Já há vários navios a demandarem o Porto da Beira para o embarque do carvão produzido em Moatize, sabendo-se que há um outro, nomeadamente o “Bulk Zambesi” que se encontra na franquia desde o dia 21 de Setembro.

Segundo O autarca, o “Bulk Zambesi” é um navio especializado em transbordo no mar, tem contrato para operar no Porto da Beira no mínimo quinze anos.

A produção de carvão em Moatize vai elevar substancialmente a produtividade do Porto da Beira, representando geração de mais receitas para o país.

Além da Vale, a mineradora australiana Riversdale, que também opera na mina de carvão em Moatize, tem contrato para exportar o seu produto através do Porto da Beira. Até porque o terminal de carvão em construção no Porto da Beira é co-financiado pelas duas mineradoras.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!