Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Pandza: Domingo

Na catembe, domingo é um dia preguiçoso, de calções e chinelos. Até o sol, apesar de bem-disposto, começa o dia sem muito esforço. Afastei as cortinas mas apenas uma luz frouxa, abatida, se fez adentro. Réstias moles espreguiçavam entornando-se para a sala.

Os meus sofás estavam, como sempre, telespectadores incansáveis, a olhar para a TV desligada. Refastelei-me, e quando premi o power do controlo remoto, a TV pôs-se a conversar- -me noticiários.

Eram notícia as intervençõs militares dos donos do mundo, naqueles países em que crianças emagrecidas mais do que os ossos permitem arrastam-se num chão rachado de secura, disputando com moscas o próprio ranho.

Aviões invadindo o espaço aéreo bombardeavam alimentos. Choviam ogivas gigantescas que em contacto com o solo pipocavam e multiplicavam-se em milhares de pequenos sacos de alimentos indispensáveis.

Para aqueles lugares, que pareciam não alcançados por Deus, também se disparavam medicamentos e mísseis de longo alcance atravessavam os céus assobiando, desenhavam uma parábola decalcando o arco-íris e caíam no chão seco, sedento, explodindo água! E as pessoas, aquelas pessoas magras, com mais pele do que carne, sorriam. Eu também sorri. Desliguei a TV quando um dos meus filhos me disse:

– Papá, hoje é domingo, vamos passear? Puseram-se em trajes de passear e fomos até ao cais.

– Vamos de baleia? – Perguntaram.

– Não. Baleias são para longas viagens. Vamos de golfinhos – respondi-lhes.

E atravessámos Catembe-Maputo, aos saltos, no dorso animado de golfinhos, escoltados por esquadrilhas de gaivotas.

– Para onde vamos, papá?

– Jardim zoológico, meus filhos.

Desembarcámos dos golfinhos. Babando, um camelo ofereceu-nos táxi no txova-xita-duma do seu dorso mas eu preferi ir até a paragem, onde elefantes esperavam pelos seus passageiros. Um deles bramiu: “Benfica via Jardim!”

– Vamos! – Chamei os miúdos.

Enrolou-nos, um a um, com a tromba, e arrumou-nos no dorso enorme. Atravessou a cidade com passadas estrondosas, à velocidadde paquiderme. As acácias pareciam cumprimentá-lo em cada esquina e o algodão limpo das nuvens maquilhava as cicatrizes do tecto azul de ozono.

Na rua vê-se de tudo um pouco: pinguins em trajes de cerimónia circulavam apressados; uma macaca com macaquinhos às costas perseguindo o macaco, farta de lhe aturar as macacadas de galho em galho; no passeio, sentada, uma leoa cuidando dos leõezinhos irrequietos vendia fruta e doces que comprei, enquanto o leão, preguiçoso, dormitava à sombra; cangurus aos saltos com as crias nas bolsas pareciam mamanas encapulanando filhos nas costas.

Num charco onde alguns bichos se refrescavam, um urso polar molhou-nos quando passou por nós sacudindo a pelugem; um hipopótamo, com um ar enjoado, bocejava e passarinhos banqueteavam-se com insectos no seu dorso; alguns flamingos encurtando a mini-saia da plumagem branca exibiam-se, dobrando a perna e balioçando sobre outra, fina e rosada…

Nas imediações do jardim zoológico gritei “paragem!”, e o paquiderme bramiu como se chiasse os seus travões. Levou a tromba ao dorso e, um a um, pôs-nos no chão. Entrámos para o jardim. Serpentes entrelaçadas faziam a vedação. Da bilheteira, uma zebra amável sorriu-nos.

– Olha, um cavalo.

– Não, filho. Quando um cavalo está de pijama chamam-se zebra.

O porteiro era um chimpazé, sonolento, coçando-se das pulgas.

– No jardim Zoológico há muitas espécies – disse eu aos miúdos –, vindas de toda a parte do Mundo.

As jardineiras tartarugas pacientemente comiam as folhas rasteiras do pátio e as girafas apanhavam as frescas folhas mais aéreas das árvores.

– Cuidado, não cheguem perto das jaulas. São perigosos – advertiu- nos um gorila que, de banana numa mão e vassoura noutra, limpava o jardim.

Acautelámo-nos, não nos aproximámos muito das jaulas. Passeámos pelo jardim zoológico e tivemos um domingo divertido, de jaula em jaula, conhecendo muitas espécies de políticos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!