Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Documentário mostra o poder das pessoas onde o Estado falha

Documentário mostra o poder das pessoas onde o Estado falha

“Construir o Paraíso Aqui”, que esta terça-feira se estreou em Lisboa na segunda edição dos Dias do Desenvolvimento, mostra a face positiva da Guiné-Bissau aquela que não é feita de golpes, de guerras e de torturas. Cabo-Verde também tem o seu espaço no filme. Devido à extrema secura desta terra, a chuva faz-se artificialmente a conta-gotas.

Quando ouvimos o nome da Guiné-Bissau no noticiário, raramente é por boas razões. Leva o rótulo de país falhado, onde os golpes de Estado se sucedem. Mas há quem inverta a tendência. Quem construa, em vez de destruir. Quem crie nas mais adversas condições. É dessa outra possibilidade que fala o documentário ‘Construir o Paraíso Aqui’, que se estreia amanhã nos Dias do Desenvolvimento, no Centro de Congressos de Lisboa, uma iniciativa que dura até quarta-feira.

O filme, da autoria do jornalista Paulo Nuno Vicente, da Antena 1, com imagem e montagem de Luís Melo, da Universidade de Aveiro, concepção gráfica de Ana Grave e música de Eneida Marta e Juca Delgado, dá voz às “vozes africanas da cooperação descentralizada”.

É um documentário para quem acredita (ou está disponível para acreditar) que a Guiné-Bissau e também Cabo Verde são mais do que o que aparece nas notícias. São pessoas, com ideias, com projectos, com força. Com vontade de construir o paraíso, mesmo sabendo que é difícil atingi-lo.

Produzido pela Associação para a Cooperação Entre os Povos, o filme revela indivíduos e colectivos empenhados em transformar o que os rodeia, gente que sonha com um país diferente, gente que não quer desistir. E esse esforço não é para qualquer um, em países onde tudo, por mais insignificante que pareça, pode fazer a diferença.

Em Iemberem, nas Matas de Cantanhez, no Sul da Guiné-Bissau, uma máquina de arroz fez uma revolução. Mudou o estatuto das mulheres. Deixaram de estar presas ao pilar do arroz e puderam passar a ir à escola.
Pelas mesmas bandas, funciona a primeira televisão comunitária a emitir em ondas hertzianas. A emissão dura uma hora e 55 minutos, o exacto tempo do gerador.

Na Guiné, as estradas ainda dificultam a vida, afectando o comércio. Mas nunca há um só caminho e essa foi a deixa para a comunidade de Fulacunda criar um campo de cultivo, cada um com o seu quadrado. Tite está em festa – chegou a luz eléctrica, na forma de painel solar.

Em Buba, há gente a trabalhar contra uma realidade mais dura: o tráfico de crianças para o Senegal, supostamente para aprenderem o Alcorão. Amadu conta a sua história, esforça-se por não chorar. Os pais não o aceitarão de volta enquanto não souber de cor o livro sagrado do islão.

Chuva feita pelas mãos

Em Cabo Verde, recentemente chegado ao estatuto de país de desenvolvimento médio, a vida pode ser mais fácil, mas persiste “a insustentável dureza da terra”. Ainda assim, há quem não desista de afrontar a falta de chuva. No Alto da Ribeira da Torre, na ilha de Santo Antão, “a chuva que não cai é feita pelas mãos.” Fez-se um reservatório, um sistema de rega gota-a-gota, e não faltam interessados em repercutir a experiência de racionalizar um bem escasso. Na mesma ilha, a fruta de Figueiral e João Afonso está a ser transformada em doces, impedindo-a de apodrecer.

Na ilha de Santiago, faz-se hidroponia, geram-se produtos biológicos numa estufa e recicla-se a água, num país com potencial hídrico limitado. E na ilha do Maio, já há três quilómetros de média tensão que não deixam adormecer a luz e fazem funcionar um centro profissional.

‘Construir o Paraíso Aqui’, co-financiado pelo Instituto Português de Apoio ao Desenvolvimento, apresenta-se como “uma tentativa de inversão”. “Antes de mais, da perspectiva do jornalismo, entregando o protagonismo do diálogo às vozes do Sul”, explicou ao jornal “Público” Paulo Nuno Vicente. “São vozes raras na cadeia tradicional da informação, onde há um peso excessivo de actores estrangeiros”. É tão “objectivo mostrar o que se passa de positivo” como “mostrar os golpes de Estado, os conflitos, as violações de direitos humanos”, realça.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!