Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Dívidas comprometem a Liga Moçambicana de Futebol

Decorreu no passado dia 8 de Março em Maputo, a assembleia-geral ordinária da Liga Moçambicana de Futebol (LMF), órgão gestor do Moçambola, o campeonato nacional da primeira divisão do país. À semelhança do que sucedeu no ano transacto, uma vez mais foi exaltada como boa a direcção ou, se pretendermos, a lisura na gestão deste organismo por parte de Alberto Simango Júnior. Contudo, de tudo quanto se falou, há um detalhe que foi desprezado: afinal, a LMF tem muitas dívidas, quer para com os clubes, quer para com estâncias hoteleiras.

Nem tudo corre de feição no santo de devoção de grande parte da imprensa desportiva do país. Afinal, as contas da Liga Moçambicana de Futebol (LMF), segundo foi tornado público, na última assembleia-geral ordinária daquele organismo, que teve lugar, muito recentemente, em Maputo, andam desencontradas da lisura que se propala.

Se, por um lado os delegados dos clubes presentes elogiaram de forma pomposa Alberto Simango Júnior pela transparência na gestão daquela instituição, por outro, são as contas que não mentem: a Liga tem uma dívida de cerca de 18.7 milhões de meticais.Curioso é que é que a mesma tem barbas brancas. Estranhamente, reina um silêncio “ensurdecedor” na Imprensa especializada.

Segundo o relatório de contas referente ao exercício económico de 2012, no seu terceiro capítulo, a LMF deve aos clubes, um total de 13 621 816.95 meticais, ainda que tenha por receber do Chingale de Tete 64 050 e 112 800 do Clube Ferroviário da Beira o que, em termos práticos, representa a quantia de 13 444 966.95 meticais.

Segundo constatou o @Verdade, estes valores são relativos a transmis- sões televisivas. Porém, a LMF tem um bolo de 25% – sendo o restante da TVM – no lugar de pagar, negoceia com os clubes para que estes optem pela troca de serviços como transporte e alojamento em competições como a Taça de Moçambique no ano subsequente.

Este cenário não reúne consenso dos clubes, sobretudo dos menos capacitados e também daLiga Muçulmana, este último que, no ano passado, proibiu a transmissão em directo dos seus jogos. Por exemplo: o Costa do Sol, clube com qual a LMF tem uma dívida de 1 158 007,60 meticais, no lugar de recebereste valor na sua conta bancária, 25% do mesmo.

Ou seja, 289 501.90 são revertidos em prestação de serviços como deslocação, alo- jamento e alimentação durante os jogos da Taça de Moçambique, bem como em viagens para estágios pré-competitivos e quejandos. No que à dívida aos clubes diz respeito, o clube campeão nacional, o Maxaquene, é o maior credor com um valor estipulado em 2 385 089,75 meticais.

Outro dado merecedor de atenção é o facto de constar nesta mesma lista o Matchedje de Maputo (205 275,00 meticais), o Atlético Muçulmano (237 325 meticais) e o Sporting da Beira (72 850 meticais), clubes que desceram de divisão na temporada 2011.

A LMF não paga pelo alojamento dos clubes

Para além dos 13 621 816,95 em dí- vida para com os clubes nacionais decorrentes dos direitos exclusivos de transmissão televisiva, a Liga Moçambicana de Futebol deve também a nove agências de viagens e de prestação de serviços diversos e a algumas unidades hoteleiras, um valor global de 5 051 774,55 meticais.

Este passivo, sobretudo, leva a uma questão: será que a Liga paga pelo alojamento das equipas? Ora vejamos a lista, só para citar os casos mais gritantes: Hotel Santa Cruz – 473 242 meticais Hotel Massanguine – 400 000 meticais Vila Olímpica – 1 454 600 meticais Intersol – 62 869,05 meticais Hotel Lúrio – 206 000 meticais.

TVM: um caso grave

Ainda segundo o mesmo relatório, está patente que a Televisão de Moçambique, Empresa Pública (TVM E.P.), entidade detentora de 100% dos direitos de transmissão televi- siva dos jogos do Moçambola, não cumpre as suas obrigações na totalidade.

Ora vejamos: se a percepção é de que a Liga Moçambicana de Futebol paga os 25%, neste caso 3 575 693.75 do valor global das transmissões televisivas, sobram 9 869 273, 20 meticais que devem ser canaliza- do pelo canal público aos clubes do Moçambola, por via da LMF.

No entanto, segundo o relatório de contas de ano de 2012, a TVM pagou apenas um valor de 625 mil meticais, o que compromete ainda mais a LMF, que, a pouco e pouco, vai perdendo credibilidade neste aspecto junto dos clubes.

Aliás, estes últimos, longe de verem as suas contas gordas, assistem impávidos à repetição do mesmo problema a cada ano. Em 2011, a dívida global aos clubes era de apenas 6 069 741 meticais.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!