Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Dívida externa atingirá os USD4,2 biliões até 2013

Até 2013, a dívida externa moçambicana deverá atingir os 4,2 biliões de dólares norte-americanos, contra os cerca de dois mil milhões de dólares que em 2010 era o seu tecto.

Análises recentes da sustentabilidade da dívida externa moçambicana feitas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e reflectindo já a revisão do investimento público e dos planos de financiamento apontam que os indicadores da dívida de Moçambique permanecem abaixo dos limites de referência estabelecidos por esta instituição financeira internacional e pelo Banco Mundial (BIRD).

Mesmo com a sua duplicação em 2013, a dívida estará “a um baixo risco de superendividamento”, realça o documento do FMI, salientando que mesmo a de longo prazo não correrá o risco de insustentabilidade.

Em 2013, ela continuará inferior a 30% do Produto Interno Bruto (PIB) e o seu serviço representará cerca de 5% das exportações moçambicanas.

Contudo, o aumento dos empréstimos não-concessionais irá colocar a Moçambique novos desafios e vai exigir o reforço da capacidade de gestão da dívida, particularmente, no que respeita a empréstimos contraídos por empresas públicas e outras garantias soberanas, no entender ainda do Fundo Monetário Internacional.

O Governo moçambicano prevê para os próximos anos aumentar o investimento público em infra-estruturas a fim de suprir as lacunas existentes e as necessidades de desenvolvimento, ao mesmo tempo que está a incentivar o aumento da arrecadação de receitas e a programar o chamado orçamento prudente.

A expansão do investimento vai impulsionar o equilíbrio orçamental para 6% do PIB de 2013 em diante e o impacto sobre a procura interna será contido pelos retornos desses investimentos, enquanto as medidas de financiamento do défice se vão centrar mais no endividamento interno e externo através de empréstimos não-concessionais.

Refira-se ainda que, para evitar a exclusão do sector privado, o Governo pretende limitar o uso do financiamento interno a apenas 0,5% do PIB e já negociou com o FMI um limite de empréstimos não-concessionais de 900 milhões de dólares para os próximos três anos, com vista ao financiamento de investimentos produtivos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!