Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Director da Unitrans interdito de trabalhar em Moçambique

O director da empresa Unitrans Moçambique, Lda em Sofala, Mark Ulric Pretorius, de nacionalidade sul-africana, está interdito de trabalhar no país, segundo o despacho exarado pela ministra do Trabalho, Helena Taipo. A decisão, com efeitos imediatos, foi tomada pela ministra de Trabalho depois de se concluir que o comportamento do director em relação aos trabalhadores da empresa, era incompatível com os princípios constitucionais, laborais e demais legislação em vigor em Moçambique.

Segundo fonte do gabinete da ministra do Trabalho, citada pelo jornal Diário de Moçambique, a decisão teve como base o perceituado no nº5 do artigo 22 do Decreto nº55/2008 de 30 de Dezembro. “A decisão, tomada pela ministra do trabalho, Maria Helena Taipo, ao abrigo do nº5 do artigo 22 do Decreto nº55/2008 de 30 de Dezembro, surge na sequência do seu comportamento na relação com os trabalhadores da empresa violar os princípios plasmados na Constituição da República de Moçambique e demais legislação vigente no País” – explica a fonte.

Unitrans Moçambique é uma empresa que se dedica à área de agricultura e serviços de mineração. Operava na fábrica de açúcar de Mafambisse, providenciando equipamentos de produção a diesel. A nível nacional, também prestava serviços nas açucareiras de Xinavane e Mafambisse. Trata-se de uma firma com relações com uma sul-africana, a Unitrans Soutern Africa.

Esta não é a primeira vez que cidadãos estrangeiros são interditos de exercer actividade laboral em Moçambique em virtude de terem cometido irregulares. Há um ano, três chineses foram expulsos e interditos de trabalhar no território por não terem permissão. O director do grupo G4S também conheceu a mesma sorte em virtude das divergências que opunham os trabalhadores e a entidade empregadora.

Em Moçambique, estima-se que tenham sido autorizados para trabalhar perto de cinco mil estrangeiros. Com o crescimento de investimento externo em Moçambique e a necessidade de mão-de-obra especializada, tem vindo a crescer o número de estrangeiros com autorização para laborar no país. A lei vigente estabelece que os estrangeiros que pretendem trabalhar no país por mais de seis meses devam requerer autorização, estabelecendo ainda quotas do número de trabalhadores a contratar conforme o nível da empresa (grandes médias e pequenas).

Devido à necessidade cada vez mais crescente da mão-de-obra estrangeira para os sectores mineiro e de petróleos, o governo aprovou recentemente um regime de contratação de estrangeiros para estas áreas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!