Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Governo aceita presença de observadores internacionais no diálogo sobre cessar-fogo com a RENAMO

O Governo moçambicano concorda com a presença de figuras internacionais no debate sobre a desmilitarização tal como exige a Renamo, mas estes só poderão participar na discussão do ponto relativo à cessação dos ataques armados.

Segundo Pacheco, chefe da delegação governamental, a posição do Executivo visa acolher os interesses do maior partido da oposição. “Se isso dá conforto à Renamo, o Governo está aberto para a presença de observadores internacionais para o processo específico de cessação de ataques da Renamo a cidadãos indefesos e às Forças de Defesa e Segurança. Teremos de acordar o papel destas figuras no diálogo”.

Na ronda havida esta segunda-feira (17), a 44ª, as duas delegações criaram uma comissão composta por peritos militares de ambas as partes que deverá discutir os termos de referência sobre a cessação dos ataques e a possível presença de fiscais estrangeiros no processo, apresentados à delegação governamental na passada sexta-feira.

A referida comissão tem até à próxima sexta-feira (21) para apresentar o relatório do seu trabalho para que as delegações possam avançar com essa matéria.

Assim, segundo esclareceu Pacheco, a comissão de peritos militares deverá trazer uma proposta concreta sobre como vai acontecer e qual será o papel de possíveis observadores internacionais que possam participar nessa parte específica de cessação de ataques.

“Os peritos militares vão-se debruçar sobre os mecanismo para a cessação dos ataques e trarão em sede de diálogo o que deve ser feito para se chegar a essa plataforma de ordem e tranquilidade pública na região centro do país”, afirmou o chefe da delegação governamental, José Pacheco.

Por seu turno, o chefe da delegação da Renamo, Saimone Macuiane, referiu que na ronda de hoje as partes concordaram com o facto de haver uma necessidade urgente de intervenção de entidades internacionais para se resolver a situação prevalecentes sobre os confrontos armados. Sobre a comissão esclareceu que esta está para ajudar a harmonizar os termos de referência.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!