Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Dezenas de pessoas são presas e agredidas em repressão policial a protestos no Zimbabwe

Dezenas de cidadãos do Zimbabwe, entre eles um proeminente activista, foram detidos nesta quarta-feira sob a acusação de violência pública, e vários foram agredidos, disseram advogados e testemunhas, chamando atenção para uma forte repressão contra dissidentes por parte das forças de segurança.

Depois de dois dias de protestos contra a alta no preço do combustível, moradores disseram que soldados e policiais estão realizando rondas em Harare e agredindo pessoas em suas próprias casas, mesma táctica utilizada pelos serviços de segurança de Robert Mugabe durante as quase quatro décadas de seu regime cada vez mais repressivo.

Alguns serviços de internet que haviam sido interrompidos na terça-feira foram restaurados nesta quarta, último de três dias de greve contra a alta nos preços do combustível. Antes, um grupo de advogados e veículos de mídia recorreram à Justiça para garantir os serviços.

Joana Mamombe, uma parlamentar de oposição, disse que passou a se esconder depois que soldados a procuraram na casa doas seus pais na terça-feira, quando agrediram o seu pai, que precisou ser hospitalizado.

“Estou com muito medo pela minha vida. Esta é uma repressão contra aqueles que se opõem ao governo. Eles querem silenciar as vozes de oposição”, disse ela à Reuters via telefone.

Os moradores do Zimbabwe esperavam que o presidente Emmerson Mnangagwa cumprisse sua promessa pré-eleitoral de recuperar a economia e romper com as políticas da era Mugabe.

Desde o golpe de Estado de Novembro de 2007 que derrubou Mugabe, entretanto, o Zimbabwe voltou a vivenciar antigos problemas. A falta de dólares castiga a economia, a inflação em disparada corrói o valor das poupanças e o governo reage com a força para conter o protesto.

O apagão de internet deixou muitos sem acesso às redes sociais, deixando o governo susceptível a críticas de que busca evitar que imagens fortes de repressão se espalhem pelo mundo.

Mnangagwa, em viagem à Rússia e ao Fórum Económico Mundial em Davos, disse estar “profundamente entristecido” pela violência nos protestos.

“Resolver os desafios económicos do Zimbabwe é uma tarefa monumental, e embora nem sempre possa parecer, estamos indo na direcção certa”, disse ele em sua página oficial no Facebook.

O governo não comentou sobre a série de prisões e as acusações de violência praticada por soldados e policiais.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!