Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Desvio de FIIL em Chókwè: administrador confirma detenção de funcionários

O administrador do distrito de Chókwè, na província de Gaza, Sul de Moçambique, Agostinho Faquir, confirmou a detenção de três funcionários daquele distrito acusados de terem desviado 180 mil meticais destinados ao Financiamento de Iniciativas Locais (FIIL).

Faquir, citado pelo diário independente “O país”, revelou que o caso foi descoberto quando se pretendia retirar, do cofre distrital, valores monetários a fim de financiar uma associação local que conseguira reunir os requisitos necessários para se beneficiar do fundo. “As informações que eu tenho sobre este caso indicam que o facto foi descoberto quando a equipa que coordena a questão de financiamento dos projectos pretendia efectuar o pagamento de mais um projecto, que tinha sido aprovado pelo conselho Consultivo Distrital.

Na altura, veio a descobrir-se que a conta bancária já não dispunha de valores monetários”, disse Faquir. Após a descoberta do desfalque, as autoridades do governo distrital trataram de reportar a ocorrência às autoridades policiais, que logo de imediato iniciaram o processo de investigação que culminou com a detenção dos três funcionários.

Faquir afirmou ainda que para a prossecução do plano, os funcionários ora detidos optaram em abrir uma conta fictícia, para qual transferiam regularmente dinheiro para satisfazerem os seus objectivos individuais. “O valor total retirado do cofre da administração distrital é pouco mais de 180 mil meticais e, para atingir os seus intentos, os mesmos procederam à abertura de uma conta ‘fantasma’ para onde transferiam, frequentemente, valores monetários para benefício próprio”, concluiu Faquir.

De lembrar que na semana passada, a polícia deu indicação de ter detido três funcionários do Sistema de Administração Financeira do Estado (SISTAFE) e outras pessoas que se suspeitava que podiam estar envolvidas no roubo. Ate então não se sabia exactamente quanto dinheiro tinham roubado, e nem se tinham a certeza do envolvimento destes no caso.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!