Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Desfiliação britânica da UE volta a abalar mercados; caos político aumenta

A decisão britânica de sair da União Europeia(UE) sacudiu novamente os mercados financeiros nesta segunda-feira, com a libra esterlina recuando apesar das tentativas dos líderes britânicos de apaziguar o turbulência político e económica que o rompimento despertou.

O ministro britânico das Finanças, George Osborne, disse nesta segunda-feira que a economia do Reino Unido é forte o suficiente para lidar com a volatilidade causada pelo referendo de quinta-feira, que foi o maior golpe ao objectivo europeu de forjar uma unidade maior desde a Segunda Guerra Mundial.

Mas suas palavras não conseguiram deter o tombo da libra esterlina para o nível mais baixo em relação ao dólar em 31 anos, dando continuidade ao recuo iniciado na semana passada, quando os britânicos contrariaram as expectativas dos investidores e votaram por encerrar a filiação de 43 anos à UE.

As acções dos bancos europeus tiveram a pior queda em dois dias que se tem registo e as acções mundiais, de acordo com o índice MSCI, estão a caminho de sua pior queda de dois dias desde o colapso do Lehman Brothers em 2008.

Com o Partido Conservador em busca de novo líder após o anúncio da renúncia do primeiro-ministro britânico, David Cameron, na sexta-feira e os legisladores do opositor Partido Trabalhista intensificando uma rebelião contra seu líder, Jeremy Corbyn, o Reino Unido mergulhou ainda mais no caos político e económico.

“Não há liderança política no Reino Unido justamente no momento em que os mercados precisam ser assegurados de uma direcção”, disse Luke Hickmore, da consultoria Aberdeen Asset Management, expressando a visão de muitos da City de Londres, o centro financeiro da nação.

Cameron prometeu continuar como interino até Outubro, e diz que seu sucessor deveria dar início ao processo formal de desfiliação da UE. No parlamento, os conservadores recomendaram escolher o seu substituto até o final de Setembro.

O primeiro-ministro procurou amenizar os temores a respeito das consequências do referendo e opinou que o Parlamento não deveria tentar bloquear o rompimento do país com o bloco. A maioria dos parlamentares, como ele, defendia a permanência britânica.

“Estou a ser claro, e o gabinete concordou hoje de manhã, que a decisão precisa ser aceita”, afirmou Cameron ao parlamento, que também enfrenta uma petição pública por um novo referendo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!