Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Democratizar o cinema

Democratizar o cinema

A problemática dos transportes, a pobreza urbana e suburbana, bem como o tema que se prende com a auto-estima são os aspectos da vida social da capital que, no fim de duas semanas de formação cinematográfica, um grupo de jovens realizadores exibirá, brevemente, em três documentários.

A iniciativa resulta da combinação da parceria entre a Audiovisuales Sin Fronteras – ASF, a Embaixada Espanhola e o Fórum do Cinema de Curta- -Metragem – Kugoma, entre outras organizações locais que, no âmbito do projecto “Olhares para o Território” dirigido pelo realizador espanhol Andrés Morte, promove oficinas de formação.

Em parte, a iniciativa tem como objectivo abordar a realidade das cidades mundiais sob o ponto de vista local, profissionalizar a área cinematográfica e, acima de tudo, criar e desenvolver um território cinematográfico em cada cidade – “o que deve culminar com a edifi cação e fortalecimento de empresas do ramo do audiovisual”.

Para o efeito, de um universo de 40 concorrentes à I Ofi cina, foram seleccionados 16 (dos quais quatro mulheres) jovens que no contexto do mesmo projecto foram orientados a elaborar o guião, a pré-produção e a produção de filmes de curta-metragem com duração de até 20 minutos.

Terminada a obra, a 15 de Junho, os filmes serão exibidos durante a II edição do Fórum de Cinema Curta-Metragem – Kugoma, a decorrer entre 30 de Junho a 15 de Julho, nos bairros urbanos e suburbanos da cidade de Maputo.

“Teremos a estreia do filme do realizador português André Chagas, amostras do cinema brasileiro do ´Festival Curta Santos` a que se inclui uma programação de filmes completamente infantis, além de debates cinematográfi cos e sobre a cultura dos povos”, refere Cíntia Marília do Kugoma.

A fonte acrescenta que “a experiência do ano passado é animadora”, afinal, “as pessoas receberam favoravelmente o festival”. O facto deve-se à “identidade local que o público encontra nos filmes”.

Por seu turno, o realizador espanhol, Andrés Morte, considera que “os formandos são muito criativos, disciplinados e responsáveis”. É por essa razão que “os resultados são muito positivos. Pensamos em dar continuidade nos próximos anos, podendo-se fortalecer a iniciativa com mais e melhores equipamentos”.

Refira-se que, na África Austral, Moçambique é o primeiro país a beneficiar do projecto “Olhares para o Território”. Assim, a capital moçambicana junta-se a cidades como Casa Blanca, Lima, Florença, Barcelona, Dakar, Manila, entre outras, com um território cinematográfico desenvolvido ao abrigo do mesmo projecto.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!