Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Défice moçambicano reduz 22% em 2010

As exportações moçambicanas aumentaram, em 2010, em 4,5%, face ao volume registado no ano anterior, contra a redução das importações em 5,3%, situação que resultou na redução do défice da conta parcial em cerca de 22%, segundo o Banco de Moçambique (BM).

Em 2010, as exportações foram no valor global de 2147,2 milhões de dólares, contra 3240,2 milhões de dólares do volume das importações de bens essenciais, segundo ainda o banco central moçambicano no seu relatório sobre a Balança de Pagamentos referente ao ano em apreço.

No entanto, excluindo os grandes projectos, a reacção da economia moçambicana face ao ambiente internacional caracterizado pelo aumento de preços de cereais, não se reflectiu em ganhos no comércio de bens, a avaliar pela diminuição das exportações em 31%.

Dentre os produtos tradicionais, o volume das exportações de camarão, castanha de caju e tabaco foi o que maior decréscimo registou em 2010, enquanto as exportações de algodão, açúcar e madeira suavizaram o impacto negativo verificado nas exportações totais.

Já no que tange a importações, o BM explica que a queda do seu volume, em 5,3%, foi devido à redução das despesas de importações de sectores que não fazem parte da categoria dos grandes projectos, em 11%, enquanto as importações feitas pelos grandes projectos aumentaram em 13,7%, em linha com as necessidades que decorrem das etapas de implantação e expansão dos mesmos.

RAS & União Europeia

Quanto, entretanto, ao destino das exportações, de 2006 a 2010, excluindo as de alumínio, cujo destino é a União Europeia, a vizinha África do Sul absorveu naquele período o correspondente a 36% do volume das exportações moçambicanas, seguida pela União Europeia com 17%, contra 11% de bens moçambicanos que tiveram como destino outros países da África Austral.

Já em importações, a África do Sul posicionou-se em primeiro lugar com 33% de mercadorias diversas vindas daquele país, seguida também pela União Europeia com 26% , contra 15% do volume de mercadorias importadas de países asiáticos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!