Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Decretada zona de exclusão aérea em Fukushima

As autoridades japonesas decretaram, esta terça-feira, zona de exclusão aérea toda a zona da central nuclear de Fukushima, palco de várias explosões nos edifícios dos reactores nucleares que fizeram aumentar os níveis de radiação na região.

De acordo com a agência Kyodo, a radiação está a um nível 33 vezes superior ao permitido em Utsunomiya, capital da província de Tochigi, zona a norte de Tóquio. Os níveis de radiação em Kanagawa, a sul de Utsunomiya, eram, por sua vez, nove vezes superior ao recomendado.

O Primeiro-Ministro japonês Naoto Kan disse que os níveis de radiação aumentaram significativamente depois da explosão esta manhã em Fukushima, onde quatro dos reactores da central nuclear já sofreram problemas.

Naoto Kan apelou a que os residentes num raio de 30 quilómetros em volta da central permaneçam em casa e evitem abrir janelas ou ligar o ar condicionado.

O Ministério japonês dos Transportes estabeleceu uma zona de exclusão aérea no interior da região classificada de risco em Fukushima que só hoje registou uma explosão no reactor número 2 e um incêndio no reactor 4.

Yukio Edano, porta-voz governamental, assinalou que o nível da radiação chegou a ser 100 vezes superior ao limite no reactor 4, enquanto que no reactor 3 os níveis eram 400 vezes superiores. O mesmo responsável acrescentou que a manterem-se os níveis de radiação estes podem ser prejudiciais à saúde humana.

Apenas 50 dos 800 funcionários da central de Fukushima permanecem no complexo depois da administração da central ter decidido evacuar os restantes elementos por receio de contaminação.

A Tokyo Electric Power (TEPCO), que gere a central, não exclui fusões dos núcleos dos reactores 1,2 e 3, mas garante que o reactor 4 não estava em funcionamento aquando do incêndio que afectou o edifício hoje, durante a manhã (hora local).

Naoto Kan apelou ainda aos cidadãos para manterem a calma perante a série de incidentes em Fukushima, situações que provocaram um alarme global devido ao temor de uma catástrofe nuclear.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!