Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Debbie Reynolds, de estrela de musicais a mãe da princesa Leia

O destino guardava um último e trágico giro para fechar o ano de 2016 e um dia depois da morte de Carrie Fisher, a actriz que representou a princesa Leia de “Star Wars”, a sua mãe e a também actriz Debbie Reynolds, conhecida por musicais como “Serenata à Chuva” (1952), faleceu nesta quarta-feira, nos Estados Unidos da América, aos 84 anos.

Debbie foi hospitalizada de emergência no período da tarde, após sofrer um acidente vascular cerebral na casa do seu filho Todd Fisher que confirmou aos veículos de imprensa americanos a notícia da sua morte horas depois. “Ela queria estar com Carrie”, disse Todd Fisher à revista “Variety”.

Mãe da carismática Carrie Fisher, que morreu na terça-feira, aos 60 anos, após sofrer um ataque cardíaco dias antes, Debbie Reynolds destacou-se nos anos 1950 e 1960 como uma artista radiante, sobretudo em musicais, assim como também bastante conhecida por sua turbulenta vida pessoal e falta de sorte nas relações amorosas.

Nascida Mary Frances Reynolds, no dia 1º de Abril de 1932 em El Paso, nos Estados Unidos da América, a posteriormente artista conhecida como Debbie Reynolds chamou a atenção dos “caça talentos”, quando adolescente venceu um concurso de beleza na cidade de Burbank, na Califórnia.

Debbie Reynolds estreou no cinema pelas mãos do estúdio Warner Bros, com o filme “Vocação Proibida” (1950), embora foi a sua futura associação com a Metro-Goldwyn-Mayer (MGM) a que fez chegar ao estrelato de Hollywood. Neste mesmo ano participou do musical “Três Palavrinhas”, protagonizado por Fred Astaire, mas a sua sorte mudaria completamente quando, dois anos depois, Stanley Donen e Gene Kelly a escolheram como actriz principal de um dos musicais mais famosos da história, “Serenata à Chuva”.

Ao lado do próprio Kelly e Donald O’Connor, Debbie Reynolds compôs o trio protagonista de um filme sobre o início do cinema sonoro e cujos deslumbrantes números de dança, como “Singin’ in the Rain”, “Make ‘Em Laugh” e “Good Morning”, passariam imediatamente a fazer parte do cânone do género.

Por outro lado, a relação entre Debbie Reynolds e Carrie Fisher passou por muitos altos e baixos, em parte pelos problemas mentais e de dependências que tinha a actriz de “Star Wars”, mas também pela movimentada vida de estrela de Debbie durante a infância da sua filha.

“Ser minha filha foi difícil para Carrie, pois na escola o professor a chamava Debbie. Mas acho que não era muito mau, já que agora eu sou a mãe da princesa Leia em qualquer lugar que vá”, disse Debbie Reynolds, em tom irónico, em 2011 em entrevista ao lado de sua filha no programa de Oprah Winfrey.

Carrie Fisher, que durante anos ficou sem falar com a sua mãe, explicou nesta mesma entrevista que sua relação foi “volátil” e que houve um tempo de sua juventude onde “queria sua própria vida” e “não ser a filha de Debbie Reynolds”. Com o tempo elas se reconciliaram e essa experiência teve seu reflexo artístico.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!