Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Damasco culpa “terroristas” por explosão no posto de gasolina

Sexta-feira (4), a Síria disse que um carro-bomba que explodiu num posto de gasolina lotado de Damasco, na noite da Quinta-feira (3), foi detonado por “terroristas”, um termo que usa para os rebeldes que tentam derrubar o presidente Bashar al-Assad.

A bomba matou 11 pessoas e feriu 40 num posto lotado de sírios que faziam fila para conseguir combustível, que tornou-se escasso nos 21 meses de insurgência contra Assad, o segundo ataque a um posto de gasolina na capital, esta semana, disseram os activistas da oposição.

“Os terroristas… explodiram um dispositivo explosivo no posto de gasolina Qassioun, perto do hospital Hamish em Barzeh, Damasco, martirizando vários civis”, disse a agência de notícias estatal SANA.

A Organização das Nações Unidas (ONU) diz que mais de 60.000 pessoas morreram na guerra civil, o conflito mais longo e mais sangrento que nasceu dos levantes no mundo árabe nos últimos dois anos.

Dezenas de pessoas foram incineradas num ataque aéreo enquanto esperavam para abastecer noutro posto de gasolina de Damasco, Quarta-feira (2), segundo fontes da oposição.

A emissora de televisão semioficial al-Ikhbariya transmitiu as suas próprias imagens de Barzeh, indicando que o ataque atingiu uma área controlada pelo governo. Os moradores de Barzeh incluem membros da maioria sunita e minorias étnicas e religiosas.

Os rebeldes detêm um número crescente de subúrbios no sul e leste de Damasco, que sofreram bombardeios das forças do governo. As forças rebeldes também controlaram território no norte e leste da Síria durante avanços na segunda metade de 2012.

A guerra joga os rebeldes, a maioria sunitas, contra um governo apoiado por membros da seita alauíta de Assad e alguns membros de outros minorias, que temem retaliações se ele cair.

A família de Assad governa há 42 anos, desde que o pai dele tomou o poder num golpe. As lutas forçaram 560.000 sírios a fugirem para países vizinhos, segundo a ONU.

O Líbano, um país que até agora tentou distanciar-se do conflito vizinho por temor que ele inflame tensões sectárias, aprovou um plano de começar a registar 170.000 refugiados sírios e pedir 180 milhões de dólares em ajuda para doadores internacionais.

A maioria dos Estados árabes governados por sunitas, assim como o Ocidente e a Turquia, pediram que Assad saia. Ele é apoiado pela Rússia e pelo Irão xiita.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!