Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Crise Mundial – Pedra no sapato de Obama

Crise Mundial - Pedra no sapato de Obama

O novo presidente americano espera duros desafios para remendar a economia daquela que é a maior potência do mundo. Obama recebe o país numa situação fi nanceira não saudável. O cenário que espera o 44º presidente americano é mais assustador que o do seu antecessor.

Hermenegildo
Além de ter de lidar com a crise financeira, Obama terá de cumprir as suas promessas de mudança. Para completar, está encarregado também da tarefa de melhorar a imagem dos americanos no exterior, que parece estar desgastada.

Embora a crise financeira americana, que depois se alastrou pelo mundo fora, esteja relativamente controlada com a aprovação do pacote de 700 milhões de dólares injectados para salvar os bancos que estavam à beira da falência, ele terá de enfrentar um grande desafi o para evitar que cenas identicas se repitam.

Obama terá de defi nir um paradigma económico a vigorar nos EUA, o qual vai permitir a intervenção do Estado na economia do mercado, diferente do que vigorava nos últimos anos – a liberalização do mercado e a desregulação dos indicadores macroeconómicos. Portanto, não havia disciplina no mercado bancário americano, situação agravada com a introdução do “subprime” (crédito imobiliário de maior risco). Todavia, apesar de Obama estar a favor da regulação (defendeu várias vezes durante a sua campanha) tem uma pedra no sapato, porque com a regulação da banca o papel do Dólar poderá fi car enfraquecido, abrindo, assim, espaço para a desaceleração da economia americana.

O economista moçambicano Magid Ossumane, que igualmente defende a ideia de regulação do mercado, considera que os americanos deverão desde já começar a controlar o seu consumo, pouparem mais para investirem em infra-estruturas auto-fi nanciando-se. O outro problema tem a ver com a enorme dívida que Obama herdou – o valor destinado ao pacote para tirar o país da crise fi nenceira. Aliado a isso, está o défi ce orçamental. No fi m de Setembro, os EUA fecharam o exercício orçamentário de 2008 com um défi ce recorde de 455 bilhões de dólares. A previsão é de que o défi ce supere 1 trilhão de dólares no exercício 2009, que começou no início de Outubro.

Para fazer frente a este defíce, Obama prometera, durante a sua campanha, alargar a base tributária sem, no entanto, aumentar os impostos. Ele propõe uma reforma tributária, onde as famílias com renda anual superior a 250 mil dólares terão de pagar mais impostos. As restantes famílias (com renda inferior a 250 mil dólares) pagarão menos, com vista a diminuir as desigualdades e aumentar o crescimento económico de uma forma mais vigorosa, com mais gente benefi ciada pela expansão do PIB. Porém, a estratégia de Obama é duramente criticada pelos economistas mais conservadores, que advertem que, aumentando os impostos dos mais ricos, os investimentos poderão cair. Esperemos para ver.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!