Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Crise grega coloca em dúvida a própria sobrevivência do euro

A crise da dívida grega, que ameaça se estender para outros países que adotaram a moeda única, evidencia ao mesmo tempo as dificuldades de governança e as disparidades econômicas da zona do euro, que poderão comprometer sua própria sobrevivência, segundo especialistas. O euro, que estava cotado em mais de 1,45 dólar no início do ano, ficou na terça-feira abaixo de 1,29 dólar, seu nível mais baixo em um ano.

Os mercados não estão convencidos do êxito do plano de ajuda à Grécia, decidido no final de semana passado pela União Europeia e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). Duvidando que o país consiga organizar suas finanças públicas, eles temem também que a crise se propague para outros países da zona do euro, principalmente Espanha e Portugal.

Nesta tempestade financeira, aqueles que já começam a questionar a própria sobrevivência da moeda única são cada vez mais numerosos. O temor foi expressado na terça-feira pelo Prêmio Nobel de Economia Joseph Stiglitz, conhecido por sua eurofilia: “o futuro do euro talvez seja limitado”. Desde janeiro, os economistas já denunciam a lentidão da resposta europeia à crise grega.

O plano de resgate foi adotado apenas depois de trabalhosas negociações, principalmente com uma Alemanha muito hesitante. E o mais grave, a crise grega forçou o Banco Central Europeu (BCE) a violar seus próprios princípios, aceitando como garantia títulos da dívida grega sem levar em consideração a qualidade de sua classificação. “Se o presidente do BCE abandona no espaço de algumas semanas princípios importantes, por que o euro deveria permanecer estável nas próximas décadas?”, se pergunta em um editorial o jornal alemão Die Welt.

Enfim, a “tragédia grega” ressuscita uma questão essencial: qual é o bom fundamento de uma moeda que reúna países com performances econômicas tão contrastantes como Alemanha e Grécia ? Concretamente, a adesão à moeda única tira da Grécia a arma da desvalorização, ameaçando-a com um longo purgatório de recessão. Como apostam os críticos do euro, as disparidades econômicas farão explodir a zona do euro, que eles consideram uma aberração desde o início. “É tempo de reconhecer o fracasso do euro”, considera Jean-Jacques Rosa, economista e professor emérito do Instituto de Estudos Políticos de Paris. Ele vai além, considerando que a Alemanha e alguns países vizinhos poderiam formar uma “pequena zona do marco”, “economicamente lógica”.

Para os defensores da moeda única, a sobrevivência da zona do euro é possível, mas passa por reformas estruturais. “Esta crise obriga nós europeus a fazermos progressos importantes no sentido da governança econômica e política da Europa”, disse nesta quarta-feira à rádio France Inter o presidente do Conselho de Análise Econômica Francês, Christian de Boissieu.

O principal defeito na couraça da zona do euro seria a ausência de uma política orçamentária única. “A união monetária exige uma mobilidade de trabalho e uma flexibilidade orçamentária, sob a forma de um Ministério das Finanças único”, consideram também os economistas do banco Standard Chartered. Para o economista Marc Touati, fundador da consultoria ACDEFI, é preciso também redefinir o papel do BCE, que deve parar de agir “por dogmatismo” e preferir o crescimento ao rigor monetarista. “No pior dos cenários, as pressões poderão acabar causando a explosão da zona do euro. No outro extremo, elas poderão forçar a Europa a adotas uma união orçamentária completa”, concluiu Andrew Smith, economista do gabinete do conselho KPMG.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!