Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Crise atira mulheres para a prostituição em Portugal

A problemática económica e financeira que afecta Portugal leva muitas mulheres ao desespero, obrigando-as a um último e extremo recurso para sustentar as suas famílias, como é o caso da prostituição.

Optar por vender o corpo não é uma decisão que possa ser tomada de ânimo leve. Contudo, para muitas mães, a alternativa é condenar os seus filhos à fome, e por isso “há cada vez mais mulheres com idade entre 30 e 40 anos, vítimas da crise, que recorrem à prostituição”, afirma Inês Fontinha, directora da Associação O Ninho.

Fontinha, que dedicou os últimos 40 anos da sua vida a apoiar as prostitutas, afirmou que nunca antes houve uma situação tão grave no país.

Acrescentou que a este drama se une o do medo, natural em pessoas inexperientes nessa actividade, muitas delas divorciadas ou mesmo casadas, que praticam a actividade escondidas do marido.

“Há alguns dias, uma delas disse-me: ´quando batem na porta do meu apartamento, tremo em pensar que pode ser alguém que conheço e, nesse caso, o que posso fazer?`”.

Além disso, entre estas inexperientes mulheres existe o temor diário de serem vítimas das redes de tráfico de mulheres, muitas vezes controladas pelas “máfias do Leste”, que, em comparação com eles, os “chulos” (proxenetas) locais são quase inofensivos.

Na Europa em geral, estas redes são principalmente de kosovares, albaneses, russos, ucranianos e romenos, que para combater “a competição” utilizam métodos brutais, tais como marcar as mulheres com navalha e até assassinar ostensivamente os seus “protectores” para dar uma clara mensagem e marcar o terreno.

Até 2010, segundo organizações não-governamentais portuguesas, havia em todo o país 28 mil prostitutas. Metade delas portuguesas e metade dividida principalmente entre brasileiras, romenas, búlgaras e nigerianas, normalmente vítimas das máfias de tráfico humano.

Em declarações à rádio TSF de Lisboa e ao canal de televisão privado SIC, Fontinha afirmou que, “em angústia permanente, a crise está a levar cada vez mais mulheres, e também homens, à prostituição. Por exemplo, em Coimbra, 190 quilómetros ao norte de Lisboa e capital da Região Centro de Portugal, contam-se 400 novos casos este ano”.

Já a pesquisadora Alexandra Oliveira, que no dia 13 lançou o livro “Caminhar na Vida: a Prostituição de Rua e a Reacção Social”, afirma no seu trabalho que a actividade é uma opção que geralmente surge após um acontecimento traumático.

Pesquisadora da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto, Oliveira dedicou a sua tese de doutorado ao estudo do mundo da prostituição nessa cidade, a segunda do país, que fica 330 quilómetros a norte de Lisboa e é capital da Região Norte.

“A prostituição deveria ser legal para ser socialmente aceite”, afirma a pesquisadora, que qualifica esta prática como “uma actividade ainda muito estigmatizada”.

Para o seu doutoramento, Oliveira estudou a prostituição nas ruas do Porto durante seis anos, recorrendo ao método etnográfico, no qual o próprio pesquisador se torna o principal instrumento de trabalho.

Os seus estudos indicam que a maioria das prostitutas, sobretudo as das ruas, provém de níveis socioeconómicos baixos, com pouca escolaridade, escassa formação profissional e de meios pobres ou empobrecidos.

O vício também é uma presença frequente, com cerca de 30% de prostituas cujo propósito central é conseguir dinheiro para comprar droga. Uma realidade que, aparentemente, registou uma clara mudança desde 2009, quando os efeitos da crise global nascida nos Estados Unidos começaram a invadir Portugal.

Para combatê-los foram feitos drásticos cortes nos investimentos públicos e nos subsídios sociais, num cenário económico que se mostra pouco promissor numa economia anémica.

O plano de consolidação do orçamento fiscal inclui a maior redução de gasto público dos últimos 50 anos, cujo custo social é o aumento do desemprego e o regresso da pobreza, uma situação desterrada após a queda da ditadura corporativista (1926-1974) do chamado Estado Novo.

“O que leva uma mulher a exercer a prostituição?”, foi a pergunta feita a duas mulheres que a crise obrigou a estrear-se nesta actividade. Pamela e Xana (nomes de trabalho) concordam que o fazem apenas por dinheiro, mas destacam que “não é nada fácil desempenhar essa actividade”, como destaca Pamela.

“Muita gente, de forma errada, diz que as mulheres que praticam a prostituição são perversas, o fazem por prazer sexual, sem terem ideia do motivo para realizarmos essa actividade”, disse Xana, uma lisboeta divorciada de 29 anos, “com dois filhos, que preciso de alimentar, vestir e educar”. Pamela também se separou do companheiro, com o qual nunca foi legalmente casada.

“De um dia para outro, desapareceu de casa e, quando uma mulher fica só com dois filhos e os gastos a aumentar todos os dias, a vida obriga”, disse a mulher, que até o ano passado trabalhava na indústria têxtil.

Após várias tentativas em busca de trabalho, Pamela confessa que “nada conseguiu”, num país onde o desemprego afecta 13% da população economicamente activa, segundo dados oficiais, e entre 17% e 18%, segundo os sindicatos. “Por isso, acabei por recorrer à prostituição”, afirmou.

Tanto os familiares de Xana como os de Pamela ignoram a sua actividade. A maioria leva uma vida dupla ignorada pela família. Quando lhes foi perguntado se conheciam casos de reacção de familiares de prostitutas ao saberem o que faziam, a resposta foi: “Pelo que sei, as reacções variam”, disse Xana, ex-empregada de um escritório em Lisboa.

Ela revelou que uma “contou aos pais o que fazia e eles ficaram furiosos e disseram que nunca aceitariam isso, mas, noutros casos, que conheço, os familiares aceitaram a ideia, porque eles também têm algum interesse e acabam por se aproveitar e conseguir algum dinheiro”.

Sobre a prática sexual, ambas asseguram que são elas que ditam as regras, definindo claramente o que aceitam e o que não aceitam. “As nossas relações são sempre com preservativos. O cliente não consegue nada oferecendo mais dinheiro para não usá-lo”, assegura Pamela. “É possível ser feliz com esta vida?”, perguntou a IPS ao fim da conversa. Xana respondeu por ambas, com Pamela sempre de acordo.

“Para quem leva uma vida sempre julgada e rejeitada, é natural que uma pessoa não se sinta bem. Se a nossa fosse uma actividade profissional vista como todas as demais, penso que nos sentiríamos melhor com o que fazemos”, acrescentou.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!