Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

CPAR confirma debate sobre estatuto do combatente

A Proposta de lei do Estatuto do Combatente faz parte do rol de matérias da III Sessão Ordinária da Assembleia da Republica (AR), o parlamento moçambicano, que inicia, próxima semana, na capital do país, Maputo.

O Porta-voz da Comissão Permanente da AR, Mateus Katupha, confirmou o facto, Sexta-feira, em conferência de imprensa, afirmando que a referida Proposta de Lei consta dos vinte pontos que serão debatidos na próxima sessão.

“Este ponto consta do rol das matérias que vão ser debatidas, mas antes de ir a plenária vai ser analisado pelas bancadas parlamentares”, disse Mateus Katupha.

Recentemente, a Presidente da AR, Verónica Macamo, disse acreditar que não haverá demora no tratamento deste assunto, frisando que a magna casa do povo tem procedimentos próprios sempre que alguma proposta de lei é nela submetida.

Aliás, a própria AR está interessada em garantir que os desmobilizados gozem de todos os seus direitos. Recentemente, os desmobilizados de guerra chegaram a cancelar uma manifestação que já havia sido agendada, graças a um memorando de entendimento rubricado e que visa dar espaço para que o novo estatuto dos combatentes seja aprovado pelo parlamento.

Com efeito, o governo e as associações de desmobilizados de guerra em Moçambique alcançaram um acordo que vai nortear as acções subsequentes sobre este mesmo estatuto. Os desmobilizados ameaçavam ir a rua exigindo a flexibilização na fixação de pensões e de outros direitos.

Alguns desmobilizados queixam-se da existência de um tratamento diferenciado, por parte do Governo, entre os combatentes da luta de libertação nacional que culminou com a independência nacional, em 1975, e os desmobilizados da guerra civil dos 16 anos, terminada em 1992.

Por outro lado, poderá ser criado um Instituto dos combatentes no país na sequência do acordo alcançado recentemente entre o Governo e os Presidentes das Associações de Desmobilizados. Os ex-militares poderão beneficiar de pensões, um direito que deverá ser estendido às viúvas ou órfãos dos combatentes falecidos.

Entretanto, decorrem esta Sexta-feira as exéquias fúnebres do falecido deputado Agostinho Macuácua, do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), que se suicidou por motivos ainda por apurar.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!