Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Corpos de naufrágio no Mediterrâneo chegam a Malta e outro barco afunda na Grécia

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia reuniram-se nesta segunda-feira (20) sob pressão para produzirem mais que palavras e evitarem a morte de imigrantes desesperados no mar Mediterrâneo, enquanto corpos do naufrágio com mais perdas de vida já registado surgiram nas praias de Malta.

O saldo de mortos do desastre de domingo na costa da Líbia é incerto, mas deve ser o mais alto dos tempos modernos envolvendo imigrantes que são traficados em embarcações frágeis através do Mediterrâneo.

As autoridades disseram que havia pelo menos 700 pessoas a bordo, algumas supostamente trancadas no porão de carga. A tragédia aconteceu dias depois de outra na qual se acredita terem morrido 400 pessoas.

Centenas de quilómetros ao leste, membros da guarda costeira lutavam para salvar imigrantes noutro barco destruído depois de naufragar ao largo da ilha grega de Rodes.

Guardas costeiros disseram que pelo menos três pessoas morreram no local. Imagens de televisão mostraram sobreviventes agarrados a destroços enquanto eram resgatados.

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) afirmou que outras três embarcações enviaram sinais de socorro nesta segunda-feira.

As autoridades europeias correm contra o tempo para criarem uma política que represente uma reacção mais humana ao êxodo de pessoas que viajam pelo mar de África e da Ásia para a Europa sem piorar a crise estimulando mais pessoas a partirem.

Uma operação naval italiana no sul do Mediterrâneo, conhecida como “Mare Nostrum”, foi cancelada no ano passado por causa do custo e da oposição interna aos resgates marítimos, que poderiam encorajar a imigração.

Em Novembro, a acção foi substituída por uma missão muito menor da UE, com um terço do orçamento, uma decisão que parece ter tornado a jornada muito mais mortífera para os imigrantes, arregimentados por traficantes de pessoas que prometem uma vida melhor na Europa.

“Esta é uma emergência humanitária que nos envolve a todos”, afirmou o director italiano da OIM, Federico Soda, que pediu que uma missão equivalente à operação italiana seja relançada imediatamente.

Cerca de 1.500 imigrantes já morreram este ano a tentarem cruzar o Mediterrâneo, cifra que deve superar de longe os 3.200 que a OIM estima terem perdido a vida a fazerem a travessia no ano passado, dado que o pico do Verão local ainda não começou. Menos de 100 das mortes de 2014 ocorreram antes de Maio.

A OIM diz que mais de 21 mil pessoas já empreenderam a viagem até agora este ano, em comparação com as 26 mil do final de Abril do ano passado, mas com um saldo de mortes cerca de 15 vezes maior até o momento.

No domingo, a embarcação virou e afundou na costa líbia quando passageiros correram para um lado do barco para chamar a atenção de um navio mercante que passava. Um sobrevivente oriundo do Bangladesh afirmou que havia 950 passageiros a bordo, segundo a OIM.

O Primeiro-Ministro de Malta, Joseph Muscat, declarou nesta segunda-feira que a ONU deveria enviar uma força para intervir directamente na Líbia interceptando ou atacando traficantes de pessoas e impedindo a partida dos barcos. A França pediu mais operações de busca e resgate no mar.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!