Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Cooperação com Moçambique: Países nórdicos lançam apelos ao Governo moçambicano

Os cinco países nórdicos, nomeadamente Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia, indicam que se comprometem a continuar a partilhar os desafios e experiências com o Executivo moçambicano em vários domínios de cooperação no sentido de materializar o crescimento inclusivo, o uso racional dos recursos minerais que estão emergir no país e a definição de políticas capazes impactar na vida dos moçambicanos. Todavia, apelam para que haja melhorias significativas em inúmeros processos conducentes ao desenvolvimento.

O comprometimento dos países em alusão culminou, esta Sexta-feira (05), em Maputo, com o lançamento de um manual intitulado “Elementos para um Processo de Crescimento Inclusivo em Moçambique”, o qual recomenda que o país deve apostar numa economia diversificada para colher benefícios dos megaprojectos, educação de qualidade de modo a obter um crescimento que priorize todo o subsistema de ensino, industrialização para aumentar a produtividade na agricultura, bem como na facilitação do acesso aos serviços de extensão, pesticidas, fertilizantes, sementes e crédito.

Deve igualmente melhorar o ambiente de negócios que promova e reforce políticas industriais para fomentar mais empregos para os moçambicanos e acrescer valor aos produtos internos.

O embaixador da Dinamarca, Mogens Pedersen, disse na ocasião disse que, para que estas pretensões sejam concretizadas, Moçambique precisa traçar políticas de gestão de recursos que impulsionem um crescimento económico forte e inclusivo, o que actualmente não está acontecer, uma vez que a pobreza nas comunidades não está a reduzir.

O embaixador sublinhou que a descoberta dos recursos minerais não é um caminho fácil para o enriquecimento, é preciso tomar certas medidas que passam pela transparência na gestão e na legislação, celeridade e facilidade no acesso à informação e à procura de consensos envolvendo o Governo, comunidade e investidores.

Por sua vez, a embaixadora da Noruega, Tove Westberg, desafiou o Governo moçambicano a ser capaz de definir, com clareza, as regras e regulamentos sobre os recursos naturais, dentre outros, criação de uma base de dados sólida no sistema de tributação nacional, bem como adopção de estratégias direcionadas para o apoio social.

Segundo Tove Westberg, a cooperação entre os países nórdicos com Moçambique contribuiu para que este último melhorasse significativamente a gestão de recursos energéticos, sistemas administrativos, inspecção-geral de finanças públicas e outros recursos públicos.

Por seu turno, o embaixador da Finlândia, MATTI KÄÄRIÄINEN, disse que mais do que concessionar recursos é importante ter um sistema tributário e legislativo simples, que permita manter o controlo sobre os mesmos, com vista a beneficiar a população para amainar a sua expectativa, através da definição conjunta de metas, ganhos e o funcionamento de todo processo.

Por fim, a Primeira Secretária para os Assuntos Políticos e Comerciais da Suécia em Moçambique, Karin Bolin, assegurou que irá continuar a apoiar o país para dinamizar o processo da transparência da indústria extractiva, dotar os técnicos moçambicanos de ferramentas que os ajudem a melhorar o acesso à informação e todo processo de extracção.

No entanto, o grupo de países nórdicos apela ao Executivo para que remova as barreiras que impedem que haja um crescimento económico e social inclusivo, que passa pela remoção do excesso da burocracia, corrupção, criação da facilidade de acesso ao crédito bancário, simplificação do sistema fiscal, dentre outros.

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!