Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Conselho de Segurança não obtém acordo sobre Coreia do Norte

O Conselho de Segurança das Nações Unidas concluiu sua sessão deste domingo sem chegar a um acordo sobre um texto condenando o lançamento de um míssil de longo alcance por parte da Coreia do Norte, mas decidiu prosseguir com as negociações, segundo fontes diplomáticas.

“Os membros do Conselho de Segurança concordaram em prosseguir com as consultas sobre que ações tomar”, disse o embaixador do México, Claude Heller, que preside o órgão no mês de abril, ao final de três horas de discussões a portas fechadas.

A reunião, convocada a pedido de Estados Unidos e Japão, foi precedida de um apelo de Washington para uma vigorosa ação conjunta como resposta a Pyongyang. A representante americana na ONU, Susan Rice, disse que o encontro era uma oportunidade para se obter um acordo sobre uma “forte ação coletiva” para responder ao disparo do míssil, que Estados Unidos, Japão e União Européia consideraram um “ato de provocação”.

Antes da reunião, a França também reprovou “fortemente” o disparo e seu embaixador na ONU, Jean Maurice Ripert, disse esperar do Conselho uma condenação unânime a “esta provocação e violação da lei internacional”.

A resolução 1718, adotada em outubro de 2006, após os disparos de mísseis no dia 5 de julho e do teste nuclear realizado em 9 de outubro do mesmo ano, exigia o fim das provas nucleares e dos tiros de mísseis balísticos, e proibia o fornecimento de material ligado a estes programas e a outras armas.

A resolução 1695 do Conselho, de julho de 2006, condenava os testes de mísseis realizados em 5 de julho e proibia a transferência de elementos passíveis de emprego na construção de mísseis balísticos e de outras armas de destruição em massa.

Os diplomatas de China e Rússia, ambos com direito a veto no Conselho de Segurança, tem o poder de bloquear qualquer iniciativa dos Estados Unidos ou de seus aliados para a adoção de novas sanções contra Pyongyang. Segundo diplomatas ocidentais, que pediram para não ser identificados, o Conselho poderá adotar uma resolução ou emitir um comunicado reafirmando as sanções já em vigor contra a Coreia do Norte.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!