Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Congestionamento no SISTAFE origina atraso no pagamento de salários dos funcionários público em Sofala

Até esta terça-feira funcionários da Direcção Provincial da Justiça de Sofala e da delegação do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades não tinham recebido os seus salários referentes ao mês de Julho, um problema que também vinha preocupando outros trabalhadores do Estado na província.

Citada pelo jornal Diário de Moçambique, a directora provincial de Plano e Finanças de Sofala, Atália Tui, justificou o atraso com o congestionamento do Sistema de Administração Financeiro do Estado (SISTAFE) que, para além de processar vencimentos, inclui a liquidação de retroactivos resultantes do aumento salarial decretado pelo Governo em Abril deste ano.

Normalmente os salários dos funcionários do Estado são liquidados a partir do dia 22 de cada mês, mas até hoje os das instituições como da Justiça e da delegação provincial do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades, ainda não auferiram as suas remunerações. Um funcionário público entrevistado pelo jornal Diário de Moçambique referiu que o atraso criou-lhe grandes transtornos sociais, visto que, sem aquele dinheiro, a sua vida fica quase totalmente complicada. Comentou que a compra de alimentação, pagamento da renda da casa, água, luz e outras despesas, para o período de um mês, é feito através do seu salário. “O Governo deve saber que os funcionários na cidade vivem com base no salário que auferem. Por isso um atraso compromete a situação social do funcionário que é a força de produção e dos seus dependentes”, lamentou a fonte, apelando para o cumprimento de datas de pagamento dos ordenados.

Entretanto, Atália Tui considerou que o processamento dos retroactivos “ está a tornar o sistema lento, resultando no atraso do pagamento de salários”. Precisou que o problema está a ocorrer também em outras províncias do país, visto que o sistema é administrado a partir do Ministério das Finanças, em Maputo. A fonte referiu que a situação foi comunicada às direcções provinciais numa das sessões do Governo de Sofala que decorreu recentemente na Beira, antes da liquidação de salários.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!