Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Concelho Municipal da Cidade de Maputo rescinde contrato com empreiteiro da Avenida Julius Nyerere

O Concelho Municipal da Cidade de Maputo (CMCM) decidiu rescindir o contrato com a Britalar, empreiteiro responsável pela reabilitação da Avenida Julius Nyerere, por incumprimento dos prazos à conclusão da obra, inicialmente previstos para Outubro do ano transacto. As obras de reabilitação da via, no troço entre a Praça do Destacamento Feminino e a Praça dos Combatentes, estão avaliadas em cerca de 12.5 milhões de dólares americanos, pacote financiado conjuntamente pelo Banco Mundial e Concelho Municipal.

Segundo um comunicado de imprensa da edilidade, o município vai lançar um novo concurso no decurso do corrente mês, destinado a apurar o novo empreiteiro que vai efectuar as obras de conclusão do trabalho já iniciado, porém executado da pior maneira a avaliar pela enorme quantidade de buracos no asfalto mesmo antes da respectiva entrega.

“O Concelho Municipal de Maputo, na sua 36ª Sessão Ordinária, decidiu rescindir o contrato de empreitada para a reabilitação da Avenida Julius Nyerere na Secção entre a Praça do Destacamento Feminino e a Praça dos Combatentes por razões de incumprimento dos prazos de conclusão da obra e da qualidade da mesma em algumas secções da via”, refere a nota de imprensa a que a Agência de Informação de Moçambique teve acesso.

As obras, que além do atraso estavam enfermas de baixa qualidade, estavam sob a égide do Consórcio Aurélio Martins Sobreiro e Filhos/ Britalar Sociedade Construção S.A/ Construção Europa Ar-Lindo S.A.

Em Dezembro de 2013, a edilidade convidou a imprensa para ver a quantas andavam as obras, tendo, na ocasião, constatado que o prolongamento se encontrava esburacado, mesmo antes do fim da sua reabilitação. Na altura, o município, na voz do director municipal de infra-estruturas, Vidigal Rodrigues, disse que foram feitas colheitas de amostras para se fazer análises laboratoriais com vista a aferir as causas das anomalias que se acentuavam, em número e gravidade.

O empreiteiro disse, na altura, ter cumprido com o caderno de encargos e aguardava também pelos resultados dos exames. No entanto, em Abril de 2014 o município anunciou que o empreiteiro responsável pelas obras de reabilitação da Julius Nyerere removeria todo o asfalto e reiniciar o trabalho de raiz, devido à degradação precoce daquela via.

A decisão surgiu depois que se apurou que a degradação da via se deveu a fraca qualidade do material usado na base e no asfalto, segundo os resultados dos testes nas amostras recolhidas no terreno realizado por três laboratórios independentes, um português e dois nacionais.

 

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!