Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Comunidade de Qunu quer que Mandela regresse à terra natal

Os membros da localidade de Qunu, no Cabo Oriental, exige o regresso do primeiro presidente negro, Nelson Rolilhalha Madiba Mandela, àquela região, de onde é natural.

A reivindicação foi formalmente apresentada em público por Silumko Mandela, um membro do clã do idoso e doentio político, sublinhando de forma repetida de que “é tempo de ele (Mandela) regressar à casa”.

“O seu povo e os seus ancestrais há muito o esperam. De acordo com a nossa tradição uma pessoa da idade de Madiba, que saiu da sua terra para ir trabalhar algures, depois de cumprida essa fase da vida deve regressar à casa”, insistiu Silumko Mandela.

“Agora que é um idoso, deve passar o resto do seu tempo junto dos seus ancestrais que jamais o abandonarão”, prosseguiu, argumentando que permanecendo em Joanesburgo Nelson Mandela (de 92 anos de idade) apenas fica ao alcance “dos ricos e poderosos” e constantemente assediado por “frenéticos jornalistas nacionais e estrangeiros”.

O internamento de Nelson Mandela no Hospital Militar Milpark de Joanesburgo oficialmente para “testes de rotina”, na passada quartafeira – onde parmaneceu por dois dias –, por sofrer de problemas respiratórios, suscitou pânico generalizado e levou dezenas de jornalistas a acampar nas imediações do complexo hospitalar e na sua residência em Houghton.

O porta-voz da comunidade de Qunu afirmou que muitos residentes da terra natal de Mandela quiseram visitá-lo quando souberam do seu internamento, mas não puderam fazê-lo, por falta de recursos financeiros para o efeito.

“Não temos dinheiro para nos deslocarmos a Joanesburgo, mas quase todos de Qunu podem reunir onze Randes para fazer uma deslocação para a cidade de Mthatha”, disse Silumko Mandela. Msizeleni Mjatya, de 29 anos de idade, natural de Qunu, disse, por seu turno, que as pessoas daquela comunidade gostariam de conviver com Mandela nos seus “últimos dias”.

Representantes da comunidade de Qunu, a delegação do Congresso Nacional Africano (ANC) e o Conselho das Igrejas do Cabo Oriental celebraram, domingo passado, rezas especiais por Madiba, que, de acordo com um anúncio feito esta segunda-feira pelo médicos que o acompanham, “está a reagir muito bem” os tratamentos a que está a ser submetido, a partir da sua residência, em Houghton (Joanesburgo).

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!