Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Comandante da polícia em sena acusado de roubo

O comandante da Polícia da República de Moçambique (PRM) em Sena, distrito de Caia, província central de Sofala, é acusado de ter roubado diversas quantidades de combustível tendo depois condicionado a sua devolução ao pagamento de uma multa.

A queixa foi apresentada na passada sexta-feira por um cidadão residente naquele posto administrativo durante um comício popular orientado no local pelo Chefe do Estado moçambicano, Armando Guebuza, no âmbito da sua Presidência Aberta, em curso na província de Sofala.

A semelhança do que acontece em diversas partes do país, o posto administrativo de Sena não possui nenhuma bomba de combustível e a provisão deste bem é assegurado por fornecedores informais. Paulino Alberto é um desses comerciantes e hoje decidiu denunciar as alegadas actuações do comandante local para com o grupo.

“No dia 4 de Agosto do ano passado, ele confiscou mais de 80 galões de combustível (cada uma com 20 litros do liquido) e quando fui ter com ele, exigiu-me uma multa de 20 mil meticais (cerca de 720 dólares norte-americanos) para a devolução dos meus 41 galões”, disse Alberto. O denunciante diz ter pago o valor exigido pelo comandante, mas mesmo assim este não devolveu todo o combustível confiscado. Ao invés, este devolveu apenas 27, faltando 14 por entregar. “Ele acabou vendendo o meu combustível”, disse o queixoso, que pediu a intervenção do Chefe do Estado nesse caso.

Segundo afirmou, quando tentou prosseguir com este caso, o comandante em causa remeteu uma queixa contra si, acusando-o de difamação. Mas o tribunal não decidiu nada sobre o caso, alegando insuficiência de provas. Nos últimos dias, o comandante intimidou o jovem acusador para não apresentar a sua queixa no comício de hoje e, tal como havia prometido ao queixoso, ele faltou ao comício orientado pelo Chefe do Estado.

“Eu peço ser devolvido o meu dinheiro e combustível”, disse Alberto, solicitando a intervenção do Chefe do Estado neste caso. Em reacção a esta e outras intervenções, Armando Guebuza não apresentou nenhuma solução imediata, mas disse que as preocupações tinham sido registadas e mereceriam a atenção do Governo. Aliás, o jovem Paulino Aberto é uma das pessoas ouvidas pelo ministro do Interior, Alberto Mondlane, para poder aprofundar a sua questão.

A semelhança dos outros dias, a tónica do discurso de Armando Guebuza hoje foi sobre o combate a pobreza, mal que os moçambicanos devem crer na sua erradicação. “Temos que valorizar os recursos que os nossos pais deixaram para nós”, disse Guebuza, acrescentando que “não há razões para continuarmos pobres. O que é importante é dominarmos os nossos recursos e sabermos usá-los para o nosso benefício. Nós não nascemos para sermos pobres”.

 

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!