Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Publicidade

Duas colunas escoltadas por militares atacadas na Estrada Nacional nº1, no centro de Moçambique

Mais uma coluna de viaturas civis, escoltada por soldados das Forças Armadas (FADM) e agentes das Forças de Intervenção Rápida (FIR), foi atacada por homens armados, não identificados, na Estrada Nacional nº1, no centro de Moçambique, cerca das 20h30. Este foi o segundo ataque nesta segunda-feira (24) a uma coluna de viaturas civis com escolta.

O primeiro ataque aconteceu cerca das 6 horas no troço da EN1 no distrito de Chibabava, alguns quilómetros antes do local onde na sexta-feira aconteceu o primeiro ataque armado na província central de Sofala, quando um coluna com mais de três dezenas de viaturas foi alvejada.

A pronta resposta da escolta afugentou os homens armados, que desapareceram na mata. Pelo menos dois autocarros de transporte de passageiros, uma viatura ligeira e uma das viaturas blindadas dos  militares foi atingida. Não há indicação de vítimas.

Durante o dia o tráfego rodoviário não foi interrompido porém as escoltas foram reforçadas.

Entretanto esta noite, enquanto o Presidente Armando Guebuza falava pela Televisão nacional sobre os 38 anos da Independência nacional que nesta terça-feira (25) serão comemorados em Moçambique, um coluna de viaturas que mesmo com a escuridão resolveu seguir viagem a partir do rio Save em direcção ao centro e norte do país foi alvejada com tiros de metralhadoras quando transitava pela EN1 no troço entre o rio Muari e o rio Gorongoza.

Esta segunda coluna terá sido muito imprudente pois desde os ataques armados começaram na passada sexta-feira (21), fazendo duas vítimas mortais, o tráfego rodoviários na EN1, no troço entre Muxúnguè e o rio Save, em colunas escoltadas tem acontecido entre o raiar e o pôr do sol (entre as 6 horas e as 17 horas).

Mais cedo o Governo confirmou o ataque desta manhã, pelo voz do Ministro do Interior, Alberto Mondlane, à saída do Conselho de Ministro convocado para esta segunda-feira. Mondlane reiterou que esses ataques são protagonizados pelos homens da Renamo e disse que o Governo mais do que perseguir vai apostar no diálogo com a Renamo com vista a pôr fim a esses actos de violência. Recorde-se que o Ministro do Interior já havia afirmado, sem apresentar provas, que o ataque a um paiol na mesma região fora da autoria de homens da Renamo.

Comboios quase parados

A empresa Caminhos de Ferro de Moçambique (CFM) anunciou a suspensão da circulação de comboios de passageiros na província de Tete, centro de Moçambique, devido à insegurança que se vive na região.

Em declarações à agência de notícias portuguesa Lusa em Maputo, o representante dos CFM na província de Tete, Nelson Semente, disse que a empresa parou o transporte de passageiros devido à insegurança na região. “Apesar de não ter havido ainda nenhum ataque aos comboios, esta medida visa evitar que aconteçam casos similares aos das viaturas atacadas e perda de vidas humanas”, frisou o representante dos CFM.

Neste domingo a mineradora Rio Tinto, que explora carvão mineral em Moatize, na província de Tete, decidiu parar com a exportação de carvão através da linha de Sena.

Renamo ainda não reivindicou os ataques

Apesar destes três ataques armados seguirem-se ao anúncio da Renamo, na quarta-feira (19) passada, que iria impedir o trânsito rodoviário e ferroviário na zona que é próxima ao local onde o seu líder reside desde de finais de 2012, o maior partido da oposição em Moçambique não reivindicou a autoria de nenhum deles.

Refira-se que na sexta-feira o chefe do Departamento de Informação do partido, Jerónimo Malagueta, que fizera a declaração de “guerra” em conferência de imprensa, foi detido pela PRM à saída da sua residência em Maputo. Malagueta foi encarcerado na esquadra da polícia localizada no Porto da capital moçambicana.

Estes acontecimento não mereceram atenção das delegações do Governo e da Renamo que nesta segunda-feira voltaram a sentar-se à mesa de negociações, para a sétima ronda de diálogo visando acabar com o impasse que coloca em risco a democracia em Moçambique.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!