Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Circuncisão masculina para reduzir infecções

Novas práticas, visando a redução dos riscos de contaminação pelo HIV/SIDA e outras doenças sexualmente transmissíveis estão a ser desenvolvidas no distrito de Ribaué, no quadro do Programa do Presidente dos Estados Unidos para o Alivio do SIDA (PEPFAR), em Moçambique.

 

 

A Associação para o Desenvolvimento Agro-Pecuário para o Sector Familiar (ADAP/SF), iniciou recentemente o processo de circuncisão masculina, aos jovens e adolescentes, usando técnicas recomendadas pelo sector de Saúde.

Segundo Ernesto Lopes, director executivo daquela agremiação, o projecto tem por objectivo reduzir, ou mesmo acabar com o uso indevido de instrumentos cortantes, por parte de alguns líderes comunitários, que podem contribuir para a propagação do HIV/SIDA, naquela região.

A fonte explicou que a sua organização recebeu da embaixada americana em Maputo, um financiamento de 35 mil dólares para o apoio técnico e logístico a actividade de circuncisão masculina, para cerca de 500 crianças da localidade de Chicá e do posto administrativo de Iapala, ao longo do Corredor de Nacala.

Esta acção, está inserida num projecto global, denominado Ekumi (Saúde), virado a prevenção e combate ao HIV/SIDA e outras doenças de transmissão sexual, naquele distrito do interior da província de Nampula.

Nós estamos a atacar a componente da circuncisão porque a prevenção é uma das prioridades na política dos governos americano e moçambicano.

Disse, acrescentando que estudos até aqui efectuados demonstram que a circuncisão reduz de maneira significativa os índices de contaminação do HIV/SIDA nas relações sexuais desprotegidas.

Conforme apuramos, trata-se de uma experiência que poderá ser estendida para outros distritos da província, sobretudo aqueles que se encontram cobertos pelos projectos da ADAP/SF, com destaque para Nampula/Rapale, Mecuburi, Meconta e Mossuril.

Devido aos melhores resultados alcançados nesta fase piloto, a população já solicita a integração da “componente feminina” no projecto, justificando que as mulheres também devem ter conhecimentos básicos sobre as consequências das DTS/HIV/SIDA, a partir dos ritos, para melhor se prevenirem.

Aquela agremiação estima que cerca de mil crianças de ambos os sexos poderão ser abrangidas na segunda fase do projecto que inicia em Novembro deste ano, período das férias escolares.

Miguel Machado, oficial de Comunicação do PEPFAR/Moçambique defende que a disponibilização de uma outra verba irá depender dos resultados e do impacto desta actividade nesta primeira fase.

Em Moçambique, o PEPFAR está a ser implementado por cinco agências do Governo americano (Departamento do Estado, Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional, Centro de Controlo e Prevenção de Doenças, Departamento da Defesa e Corpo da Paz Americano ).

O Programa do Presidente dos Unidos para o Alívio do SIDA disponibiliza cerca de 250 milhões de dólares anualmente ao nosso país, para financiar programas de luta contra o SIDA nas áreas de prevenção, tratamento, cuidados e fortalecimento dos sistemas de saúde.

Segundo Miguel Machado, desde a sua introdução em 2003, o Programa já canalizou, em Moçambique, perto de um bilião de dólares para financiar o esforços de luta contra a pandemia, por forma a garantir a redução do número de novas infecções e o fortalecimento da capacidade de resposta multi-sectorial, a melhoria do acesso ao serviço de qualidade no tratamento para adultos e crianças, entre várias outras actividades.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!