Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Cimento atinge o preço de 850 meticais em Lichinga

O preço de cimento atingiu, esta semana, em Lichinga um novo recorde. O saco de 50 quilogramas é vendido a 850,00Mt, fazendo com que a construção civil entrasse em defeso. O produto está a rarear nos armazéns da cidade e os especuladores agravaram o preço de 500,00Mt para os actuais 850,00Mt.

Um armazenista da praça localizado na avenida Julyus Nyerere que falou na condição de anonimato, afirmou que é impossível vender a este preço. “É preciso não ter vergonha na cara para vender o cimento a 850,00Mt, não se justifica vender a este valor por isso parei com a venda,” disse. O impacto negativo desta subida galopante é a estagnação da construção civil privada na cidade de Lichinga e em alguns distritos.

Mesmo as pessoas tidas como “abastadas” entraram de férias perante a subida desta matéria-prima. Entretanto em Cuamba o custo de cimento também se tornou insuportável. O preço é de 500,00Mt desde o passado dia 26 deste mês, depois de até na segunda-feira ter estado nos 480,00Mt. Alternativas Perante a dura realidade, algumas pessoas contactadas pelo nosso jornal equacionam a possibilidade de deslocarem-se ao Malawi para compra do cimento.

Esta ideia surge na sequência da eliminação da sobretaxa de cimento por parte do Governo Moçambicano, uma medida pouco divulgada em Niassa. O custo de saco de cimento no Malawi oscila entre os 350,00Mt a 400,00Mt, o que dá algum espaço de manobra para os construtores. Até 1999 a província de Niassa era abastecida de cimento proveniente do Malawi, e era mais barato que o nacional.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!