Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Cientistas cultivam células-tronco novas num rato vivo

Os cientistas conseguiram gerar novas células-tronco num rato vivo, e dizem que isso abre a perspectiva de regenerar tecidos danificados em pessoas com problemas tão díspares quanto a insuficiência cardíaca ou lesões da coluna vertebral.

Os pesquisadores usaram a mesma “receita” que é geralmente aplicada na produção de células-tronco em placas de Petri, mas em vez disso implantaram as células em ratos vivos. Eles concluíram então que foram capazes de criar as chamadas células-tronco pluripotentes induzidas (células iPS) reprogramadas.

“Isso abre novas possibilidades na medicina regenerativa”, disse Manuel Serrano, que comandou o estudo no Centro Nacional de Pesquisa do Cancro da Espanha, em Madrid. Especialistas não envolvidos no trabalho disseram que o feito científico foi notável, mas observaram que a técnica, no seu estágio actual, não poderia ser aplicada em humanos, porque as células reprogramadas também causam a formação de tumores nos ratos.

“Claramente ninguém deseja fazer isso para propósitos terapêuticos, porque isso leva à formação de tumores chamados teratomas”, disse Ilaria Bellantuono, conferencista de células-tronco e envelhecimento esquelético na Universidade de Sheffield, na Grã-Bretanha.

Mas ela acrescentou que o trabalho de Serrano é uma “prova de conceito” que permite investigar formas de reprogramar parcialmente células no organismo até determinado estágio.

“Em princípio, essas células parcialmente não diferenciadas poderiam ser então induzidas a se diferenciarem para o tipo de célula escolhido, induzindo à regeneração in vivo sem a necessidade de transplante”, afirmou ela.

As células-tronco são uma espécie de “manual de instruções” do organismo, capazes de dar origem a qualquer órgão ou tecido. Há dois tipos principais de células-tronco: as embrionárias, colhidas de embriões, e as iPS, obtidas em adultos a partir de células cutâneas ou sanguíneas, e reprogramadas para voltarem à condição de células-tronco.

Serrano, que falou a jornalistas antes da publicação do estudo na revista Nature, Quarta-feira, disse que uma das conclusões mais notáveis do estudo foi que as células iPS geradas nos ratos vivos são mais parecidos com as células-tronco embrionárias do que as células iPS criadas em laboratório.

Especificamente, segundo ele, as células reprogramadas em ratos vivos demonstraram potencial de se diferenciar em mais tipos celulares do que as células iPS ou as células embrionárias, o que sugere que a reprogramação de células em mamíferos vivos produz células de maior potencial, por serem mais “maleáveis”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!