Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Chineses da etnia han se manifestam em Urumqi por mais segurança

Manifestantes da etnia han, majoritária na China, saíram em massa nesta quinta-feira às ruas de Urumqi para exigir mais segurança, dois meses após os violentos conflitos étnicos na capital do Xinjiang muçulmano.

A polícia se mobilizou em grande número na cidade, onde o clima era tenso, e pediu à população de Urumqi que fique em casa devido às manifestações decorrentes dos ataques cometidos contra passantes por agressores munidos de seringas, indicaram testemunhas à AFP. As fontes não especificaram o que haveria nas seringas usadas como armas.

Urumqi foi abalada no início de Julho por violências interétnicas entre hans e iugures que deixaram ao menos 197 mortos, segundo as autoridades chinesas, mas muito mais vítimas, segundo a oposição no exílio desta comunidade muçulmana e de língua turca.

Testemunhas informaram que nesta quinta-feira uma multidão agitada foi às ruas para protestar contra estes ataques com seringas. Algumas testemunhas falaram em milhares de manifestantes. A agência Nova China falou de cerca de mil manifestantes reunidos pela manhã para exigir garantias sobre sua segurança após os ataques com seringas.

A agência destacou que “membros da comunidade iugure participam das manifestações”. “Há aproximadamente 10.000-20.000 pessoas e inúmeros policiais em cada cruzamento. Mais de cem policiais a cada 400-500 metros”, disse a directora de um centro médico, uma han que pediu anonimato.

“Ouvi dizer que houve uma manifestação ontem. Hoje, eu vi. Eles gritavam ‘protejam nossa pátria’. A maioria são de Hans”, acrescentou. Segundo elas, as autoridades avisaram os habitantes contra ataques com seringas. A Nova China anunciou que 15 pessoas foram detidas por terem agredido membros de nove grupos étnicos, entre eles Hans e iugures, a principal minoria étnica em Xinjiang.

No fim do dia, as manifestações continuavam, segundo um comerciante do centro da cidade. As violências interetnicas começaram em 5 de julho, quando iugures atacaram hans. Mas nos dias seguintes, os hans se vingaram deles nas ruas, apesar de um grande dispositivo da polícia.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!