Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Cerca de 4350 trabalhadores bancários sindicalizados antes do fim deste ano

Visando fazer face a casos de injustiça laboral e assegurar maior protecção dos direitos dos trabalhadores, até Dezembro de 2010, cerca de 4350 do total de 7300 assalariados do sector bancário moçambicano filiaram-se ao Sindicato Nacional dos Empregados Bancários (SNEB), segundo Rolando Ngulube, secretáriogeral daquela agremiação.

Aquele sindicato opera desde 1992, mas devido ao crescente agravamento de casos de injustiça laboral no sector “está em crescendo o número de trabalhadores do ramo que aderem ao sindicato local visando a protecção dos seus direitos”, de acordo com aquele líder sindical, apontando a falta de promoção profissional, elevada carga laboral e de horas de trabalho, higiene e segurança no trabalho como alguns dos problemas que afligem aquela classe laboral.

Três anos depois de “intensas” negociações com o patronato de seis instituições bancárias nacionais foi assinado, no segundo semestre de 2010, o primeiro acordo colectivo de trabalho no sector, “facto que assegura uma maior capacidade de defesa dos trabalhadores do sector”, segundo ainda Ngulube.

Projectos em marcha Visando reforçar a sua sustentabilidade financeira, aquela organização prevê construir, a partir de meados de 2011, uma estância turística destinada a arrendamento e sua utilização como centro de repouso dos trabalhadores bancários, na praia do Bilene, província de Gaza, de acordo com a mesma fonte, avaliando em cerca de um milhão de dólares norte-americanos o valor que deverá ser gasto para a concretização do empreendimento.

Com o mesmo desiderato, está em marcha um projecto de fomento de gado bovino e caprino, na província central de Tete, porque apesar de todos os membros daquele sindicato pagarem quotas à organização “há necessidade de fortificar ainda mais a organização de forma a melhor defender os interesses daquela classe laboral”.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!