Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Casamentos falsos preocupam autoridades na província de Manica

Um falso casamento ou 6.000 meticais (158 euros) por uma certidão é quanto custa aos ilegais adquirir a nacionalidade moçambicana na província de Manica, situação que está a deixar “perplexas” as autoridades policiais.

As jovens moçambicanas aceitam um “casamento instruído” com estrangeiros, na sua maioria imigrantes ilegais da África Central e dos Grandes Lagos, mas também asiáticos, em troca de casa ou de dinheiro.

O divórcio só acontece quando o homem adquire os “direitos”, que incluem Bilhete de Identidade e passaporte de Moçambique. “A minha filha casou três vezes (com um paquistanês e dois congoleses), não teve divórcios litigiosos e ganhou muitos bens”, como casa e viatura, contou à Agência Lusa uma dona de casa, que pediu anonimato.

Os casamentos não se realizam com luxo e pormenor, como tradicionalmente acontece noutros países. Ao cartório, só vão testemunhas e padrinhos, que geralmente pertencem ao círculo. Dois estrangeiros e dois moçambicanos estão a responder na justiça, sob acusação de falsificarem documentos de identificação.

“A circulação de estrangeiros com documentos adquiridos de forma fraudulenta está a preocupar a província. Mesmo os serviços de migração reclamam casos de cidadãos que nem falam português, mas com nacionalidade moçambicana, e que vão pedir passaporte”, disse à Lusa Firmino Hemilio, porta-voz da Procuradoria provincial de Manica.

A venda de cédulas pessoais, a porta para aquisição de todos os outros títulos, é um negócio que assenta em documentos desviados do circuito oficial, envolvendo os secretários dos bairros, que emitem declaração de residência, e funcionários dos registos e notariados, e é assegurado por jovens que actuam com discrição.

“Tramitámos dois processos este ano sobre falsificação de documentos. Um funcionário da Direcção Provincial da Justiça, ligado aos registos e notariados, foi apanhado em flagrante na posse de enorme quantidade de cédulas. Os assentos das cédulas não coincidiam com o que estava no livro de registo”, explicou Hemilio.

As cédulas são geralmente emitidas como sendo da segunda via, nos distritos distantes de Sussundenga, Gôndola, Machaze e Manica, mas também na capital da província, Chimoio.

O contacto com os potenciais clientes para a aquisição é breve e muito discreto. Depois de estabelecido o contacto, a troca do dinheiro pela cédula exige que o cliente forneça o seu contacto de telemóvel — o contrário não é válido — e aguarde a chamada do fornecedor, que muitas vezes efectua com números diferentes e ou a partir de uma cabine pública.

“De facto é um caso complexo. Nas nossas esquadras, temos registados casos de circulação de documentos falsos e em Maio detivemos dois estrangeiros e levantámos os processos-crime para seguirem os trâmites legais”, disse à Lusa Belmiro Mutadiua, portavoz do Comando da Polícia de Manica.

Os estrangeiros geralmente adquirem a nacionalidade para procurar emprego, desenvolver comércio e ou “abrir” portas que lhes permitam residir de forma legal nos países vizinhos como o Zimbabwe e África do Sul, a economia mais próspera do continente.

“Podes arranjar-me um emprego se eu conseguir arranjar documentos moçambicanos? Sou bom em informática”, indagou em conversa num café em Chimoio um cidadão que se identificou como sendo somali.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!