Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Candidatura do ex-aliado de Mubarak é insulto – rival islâmico

Uma candidatura de Omar Suleiman, ex-chefe de inteligência de Hosni Mubarak, é um insulto à revolução egípcia, e se bem sucedida, provocaria uma segunda revolta em todo o país, disse o candidato da Irmandade Muçulmana à presidência do Egito.

Nos seus primeiros comentários públicos desde que foi nomeado pela Irmandade em 31 de Março, Khairat al-Shater, minimizou receios dum confronto entre o movimento islâmico e os generais do Exército que têm governado o Egito desde que Mubarak foi deposto, ano passado.

Ele afirmou que a Irmandade não apoiaria o pedido de empréstimo de 3,2 biliões de dólares ao FMI solicitado pelo governo apoiado pelo Exército, a não ser que os termos sejam alterados ou que o governo permita a uma nova administração supervisionar como os fundos são gastos.

Em entrevista à Reuters, Domingo, o empresário milionário de 61 anos denunciou a decisão de última hora do ex-chefe de inteligência Omar Suleiman, que também foi vice-presidente, de candidatar-se.

“Eu considero a sua entrada um insulto à revolução e ao povo egípcio”, disse Shater. “Omar Suleiman cometeu um grande erro. Ele só vai ganhar por meio de fraude e, se isso acontecer, a revolução vai começar novamente.”

O conselho militar, que assumiu o poder com a queda de Mubarak em Fevereiro do ano passado, disse que vai entregar o poder aos civis depois das eleições presidenciais que serão realizada em Maio e Junho.

Mais de 20 candidatos cumpriram as exigências para concorrer ao cargo de chefe de Estado e os principais candidatos são todos políticos islâmicos ou da era de Mubarak.

O apoio da máquina da Irmandade à campanha de Shater colocou-o como o favorito imediatamente. Por sua vez, Suleiman provou que ainda exerce influência política ao colectar rapidamente 30.000 assinaturas de eleitores para poder concorrer.

Protestos violentos e confrontos sectários têm prolongado a crise económica desde a queda de Mubarak, mas as ruas voltaram a uma relativa calma depois dumas eleições parlamentares no país.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!