Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Dia anterior a início da campanha eleitoral agita Quelimane

Arrancou, esta terça-feira, na Cidade de Quelimane, a campanha eleitoral rumo às eleições intercalares de 7 de Dezembro. Contudo na segunda-feira os munícipes daquela capital da Zambézia já viveram o ambiente de campanha com muita animação, paredes pintadas e ruas cheias de panfletos.

Nas conversas, cada grupo de munícipes puxa tudo para o seu lado. Uns dizem que a campanha eleitoral é apenas um desperdício de fundos, não poderia existir na óptica destes, porque os munícipes de Quelimane, em particular, sabem o que querem no dia 7 de Dezembro. Mas como a lei manda fazer campanha, ai está a campanha.

Esta segunda-feira, Verónica Macamo, chefe da brigada central para a província da Zambézia, no partido Frelimo, apelou aos munícipes para uma campanha sã e sem violência.

Falando em Micajune, a fonte disse que “a campanha eleitoral deve ser momento de festa e não de guerra” – apelou. Num outro desenvolvimento, aquela membro sénior da Frelimo fez saber que “o seu partido não vai veredar e nunca veredou por actos de vandalismo, dai que vai respeitar o que a lei diz” – frisou.

No encontro, havido Segunda-feira, em Micajune, Macamo apresentou o seu candidato Lourenço Abubacar que, esta Terça-feira, pela primeira vez na sua vida, entra em cena política gritando “vote-me, vote-me e eu darei isto mais aquilo”.

Por seu turno, o Movimento Democrático de Moçambique (MDM), concretamente o seu candidato, recebeu um grupo de jovens portadores de deficiência auditiva, que procuraram o candidato para manifestarem o seu descontentamento por aquilo que são votados.

Aquele grupo apontou a falta de oportunidades de emprego e inserção social, assim como o abuso sexual de que muitas raparigas são vítimas.

Candidato responde sem grandes promessas

Depois de ouvir estas lamentações, todas apresentadas por aquele grupo de pessoas com deficiência, o candidato do MDM, Manuel de Araújo, disse não ter nada a dar neste momento, mas assegurou que caso vença as eleições de Dezembro próximo, aquele grupo será um dos que vão merecer atenções na sua governação.

Um dia antes da campanha

A Frelimo, na sua máxima forca, chamou alguns munícipes para estarem naquela frondosa árvore, mesmo ao lado da Avenida Marginal a fim de evocar os antepassados para assegurarem que o Lourenço Abubacar vença as eleições.

Até algumas regras da religião em que o candidato professa foram quebradas. Houve muito álcool e o candidato não aguentou ficar de cócoras.

Sabe-se que a Frelimo vai abrir, ou seja, vai lançar a sua campanha eleitoral no bairro cabeça, não muito longe da urbe. Enquanto que o MDM, conforme um documento em poder do Diário da Zambézia, fará o mesmo acto no campo dos 11 irmãos, em Sangariveira, por volta das 9h, com a presença do presidente do partido, Daviz Simango e outros quadros do seu partido.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!