Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Calamidades já fizeram 13 mil vítimas em Moçambique

Perto de 13 mil pessoas estão afectadas por diversos tipos de calamidades naturais em Moçambique, que incluem ventos e chuvas fortes que resultaram em inundações.

Contudo, apesar de grandes, estes números continuam abaixo das previsões do Plano de Contingência do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) que aventa a possibilidade das calamidades naturais afectarem perto de 583 mil pessoas na presente época chuvosa.

Citado pelo jornal “Notícias”, o director-geral do INGC, João Ribeiro, disse que a resposta a estas calamidades tem sido dada através da operacionalização do Plano de Contingência aprovado em Outubro último, orçado em 190 milhões de meticais (cerca de seis milhões de dólares americanos) desembolsados pelo Governo.

Ribeiro disse que, na presente época chuvosa, já se registaram ventos fortes com a destruição de algumas habitações, para além de inundações localizadas que continuam a desalojar pessoas, sobretudo nas zonas urbanas e suburbanas das cidades como Maputo, Xai-Xai, Beira, Quelimane e Tete.

No geral, o número da população em risco tende a reduzir, tendo como base os que foram ciclicamente afectados pelas cheias de 2007 nas bacias do Zambeze, Búzi, Púnguè e Save, estando ainda em curso o processo de reassentamento.

Para a presente época chuvosa foram criados comités de gestão de risco de calamidades ao longo das bacias hidrográficas que reforçam o sistema de circulação de informação e aviso prévio.

Neste momento, todo o país tem perto de 580 comités de gestão de risco, 214 dos quais no sul do país. Estes órgãos são os primeiros a agir no terreno em caso de alteração da situação normal.

Na Bacia do Zambeze, funcionam 190 estruturas do género cuja intervenção permitiu que a população que estava nas zonas baixas a fazer machambas, se retirasse a tempo.

“Vamos continuar a monitorar a situação, mas devo dizer que, se estivéssemos na situação de 2007, haveria muita população em risco na situação dos níveis que o Zambeze atingiu”, disse Ribeiro.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!