Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Beira é uma cidade que precisa quase tudo

“Para já a Beira é uma cidade que precisa de muita coisa. Quase tudo. Eu conheci Maputo a treze anos e assim que cheguei a Beira fez me lembrar Maputo de há treze anos” – foram estas as primeiras palavras soltas por António Ferreira de Carvalho, numa breve entrevista ao nosso jornal na capital provincial de Sofala, sobre a sua apreciação em relação a Cidade da Beira. 

António Ferreira de Carvalho é o Presidente da Associação Empresarial da Região de Lisboa (AERLIS). Ele esteve recentemente na Beira numa visita de prospecção de ambiente de negócio e de investimento, a frente de uma missão empresarial que integrou representantes de doze firmas portuguesas que procuram a sua internacionalização em África, particularmente em Moçambique e Beira. Considerou a Beira uma cidade bastante poeirenta e isso é muito mau para a saúde dos próprios munícipes.

Lamentou a presença de muita sujidade ao longo das ruas e avenidas que percorreu no espaço inferior a dois dias, as casas e os prédios que reclamam pinturas e outras obras de benfeitoria e conservação, estradas degradadas…enfim, uma série de aspectos que consideram as autoridades municipais locais deviam fazer mais para fazer valer a sua existência. No entanto, a apreciação de António Ferreira de Carvalho no seu primeiro contacto com a realidade beirense não só permitiu levantar aspectos críticos.

Também transmitiu alguma esperança. Disse que se tudo acontecer como tem acontecido nos últimos dez anos em Maputo, a Beira daqui a dez anos também vai ser uma linda segunda capital moçambicana. Referiu que a Beira tem todo potencial, tem gente e empresários capazes de dar volta a actual situação. “Penso que há muitas oportunidades que podem ser aproveitadas” – afirmou, para depois que ele e os restantes integrantes da missão empresarial que encabeçou não conheciam a Beira.

“É a primeira vez que cá viemos, os empresários que integram a nossa missão foram quem nos pediram para se deslocarem a Beira porque são sensíveis a essa terra e sentiram que havia necessidade de virmos cá, por isso estamos cá com todo o gosto”.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!