Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Azgo à operação “23/24”

Azgo à operação “23/24”

Embora já se tenha tornado tradição que, anualmente, em cada final de Maio, Maputo acolha o Festival Azgo, as campanhas publicitárias disseminadas pela organização da iniciativa chamam à nossa atenção sobre o tópico. Porque o evento que começa nesta sexta-feira só termina na madrugada de domingo –, cá entre nós – “Azgo à operação ‘23/24’” é a primeira palavra de ordem.

Para os visitantes da nossa terra, a sentença “Azgo à operação ‘23/24’” parece ser desprovida de sentido – o que não é verdade porque, para nós, a palavra inicial tem o sentido de Ir, significando, por conseguinte, Vamos. Esperamos, nesta onda de ideias, que o evento produza uma segunda palavra de ordem. Com um cardápio de artistas já conhecido, tendo em conta que a iniciativa é de cariz internacional, há – no seio de alguma ala de opinião – vozes que deploram a participação de alguns jovens emergentes na música moçambicana, que interpretam um estilo musical muito próprio.

O estimado leitor já deve imaginar – porque é claro – que se trata de nomes como Mr. Kuka, Mr. Bow e Hernâni da Silva, por exemplo. Artistas que, segundo a crítica, em determinadas condições de rigor, teriam de passar por muitos e longos anos, a programar bem a sua carreira, a fim de participarem num festival musical internacional propriamente dito. A verdade é que, se analisado bem o assunto, é possível que se constate que o mérito do Azgo tem a ver com o facto de dar a tais cantores – supostamente inexperientes – oportunidades para actuarem em grandes palcos.

Esta possibilidade tem o condão de colocar o evento a contribuir para a elaboração do seu currículo artístico. Este reconhecimento de que tais cantores também possuem admiradores que, em condições diferentes destas, provavelmente não aceitariam comprar o ingresso para ver o maliano Salif Keita – que conquistou ‘o coração do mundo’ e não o deles – ou da cabo-verdiana, Mayra Andrade. Este arranjo do Festival Azgo permite a formação contínua do público com vista a pô-lo em contacto com produtos, supostamente, não consumidos porque não são conhecidos.

De facto abre-se, com este arranjo, outro mérito, a possibilidade de se activar a sua adormecida sensibilidade musical em relação ao género melódico que estes últimos músicos – Mayra Andrade e Salif Keita, por exemplo – propõem a este público em formação. A outra prática da crítica musical moçambicana – um tremendo pecado – é sancionar negativamente os artistas locais, utilizando apenas o critério do conteúdo das suas composições musicais, em comparação com as dos estrangeiros, sem, no mínimo, antes de mais, ouvir a obra dos que vêm a Moçambique.

É preciso convir que, sem pesquisa sobre o assunto, não há garantias de que os nossos críticos musicais possam avaliar a excelência artística ou performativa, por exemplo, dos artistas japoneses Kiwi And The Papaya Mangoes ou dos espanhóis Fuel Fandango. É urgente ouvir a sua música, ver as suas actuações para elaborar alguma opinião em sentido comparativo. Mas, mais do que isso, é necessário também que se tenha em mente que a música não é, necessariamente, a mensagem ou o conteúdo da composição – o que não isenta os compositores da responsabilidade de se esmerarem na sua área da actuação.

A razão da empolgação

As nossas conversas, travadas com alguns artistas, possibilitam-nos afirmar que a maior empolgação dos artistas participantes no Festival Azgo – o que até pode contribuir para a qualidade da sua actuação – tem a ver com o facto de se tratar de um evento de cariz internacional. “Ao longo dos seus mais de 30 anos da sua existência para a banda Ghorwane, experiências desta natureza eram vividas fora do país. Neste sentido, a realização do Festival Azgo, em Maputo, tem o mérito de criar condições para que nós, os artistas moçambicanos mais experimentados, possamos encontrar-nos com os colegas de outros países com os quais, antigamente, interagimos fora do país”, afirma o intérprete e instrumentista Roberto Chitsondzo. E não lhe faltam argumentos: “Por exemplo, eu já participei em festivais, fora do nosso país, com a banda Eyuphuro.

A característica de um festival internacional tem que ser esta – pôr a cidade em festa e abrir as possibilidades de reencontro entre amigos”. Alinhando na mesma corrente de opinião, o DJ Damost diz: “Tratando-se de um evento internacional, como o Festival Azgo, eu e a minha equipa pretendemos apresentar muita música moçambicana. Dos 72 minutos da nossa atuação, apenas dois serão dedicados à música estrangeira”. A questão que se coloca a Damost tem a ver com o factor de diferenciação que a sua performance terá.

“Queremos exibir um DJ Damost diferente, que ainda não foi exposto porque – desta vez – vamos levar para o palco uma equipa composta por entre 15 e 16 pessoas, incluindo bailarinas, saxofonistas, timbileiros e percussionistas. Vamos fazer um concerto em que as pessoas não se concentrarão unicamente em mim como DJ, mas no conjunto”. Entretanto, no seu comentário, Mr. Kuka é menos específico. Diz ele que “vou trabalhar a fim de que se produzam os resultados do que irá aparecer na foto bonita do próximo ano”. O que é facto, porém, é que temos entre estes artistas fazedores de música de gerações diferentes.

“A interacção musical entre artistas de gerações diferentes é algo salutar e contínuo. Eu também já fui jovem, porque há sempre um dia em que as pessoas começam a sua carreira. Portanto, se hoje se assinala o começo de alguns é tempo de nós, os mais velhos, dizermos que já somos maduros passando a nossa experiência aos mais novos ao mesmo tempo que recebemos a deles. Por isso, penso que se trata de um debate útil, necessário e prestativo para cada uma das partes”, diz Chitsondzo.

Há gente para quem ver o espectáculo da banda Ghorwane é uma experiência nostálgica, da mesma forma que existem pessoas para as quais tal evento é uma autêntica novidade. Para muitos, deste último grupo, a vontade de vê-los tem a ver com as informações difundidas sobre os mesmos. Roberto tem a consciência disso. Ou, pelo menos, o seu comentário deixa transparecer tal realidade. “A nossa actuação representa a possibilidade da nossa aparição, pela primeira vez, para as pessoas que quando começámos a fazer música, em Moçambique, ainda não existiam, por um lado. Por outro, há-de ser interessante na medida em que propicia o reencontro com os nossos fãs a quem dizemos que ainda existimos”.

De todos os modos, há muitos aspectos envolvidos nesta aparição pública da banda Ghorwane. “Vamos com muito respeito ao palco porque temos a consciência de que já não somos novos”. Além do mais “desde que os nossos colegadas Zeca Alage e Pedro Langa desapareceram física e tragicamente, a nossa banda tem tido o cuidado de cantar as suas composições a fim de garantir que as suas vozes e obras não se percam. Vamos continuar a actuar acompanhando a dinâmica do público e a levar para o palco algumas novidades musicais”.

Nesta sexta-feira, 23 de Maio, o Festival Azgo arranca com a actuação do músico maliano, Salif Keita, marcada para as 22horas. De uma ou de outra forma, o cardápio produzido diz-nos que, no Complexo Matchi-tchiki, em Maputo, estarão em palco muitos outros artistas: Projecto Trânsito, Ghorwane, Oliver Mtukudzi, Tlale Makhene, Akale Wube, Mokoomba, Imperial Tiger Orchestra, DJ Damost e Kiwi And The Papaya Mangoes, a partir das 18 horas. De todo os modos, o director da iniciativa, Paulo Chibanga, fala sobre um dos elementos que tornam este evento diferente dos demais: “Nós somos o único evento em que as pessoas se podem cruzar e dialogar com os artistas no espaço do festival. Isso também possibilita algum intercâmbio”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!