Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Avaliações ambivalentes da robustez do Metical

A apreciação da divisa moçambicana, o Metical, face às principais moedas externas de maior circulação no país, está a saldar-se no aumento de compras no mercado internacional por empresas nacionais, segundo percepção geral dos agentes económicos moçambicanos ouvidos pela empresa KPMG sobre o Índice do Ambiente de Negócios 2011.

Entendimento contrário pertence aos empresários que se dedicam à exportação dos seus produtos que são de opinião de que a fortificação do Metical está a provocar o retraimento das suas exportações por “os produtos nacionais se tornarem menos atractivos no mercado externo”, por estarem a ser adquiridos a preços elevados.

A pesquisa da KPMG diz ter ainda concluído que 48% das cerca de mil empresas entrevistadas em todo o país foram de opinião de que o actual comportamento da divisa moçambicana não terá qualquer influência sobre os seus negócios e outras 25% disseram que esta tendência representa um impacto positivo aos seus negócios, enquanto outras 27% afirmam que o impacto será negativo.

De referir que, na primeira quinzena de Novembro de 2011, o Metical registou ganhos face às moedas dos principais parceiros comerciais de 0,22%, face a 0,07% da quinzena anterior e em termos acumulados e anuais, a moeda nacional registou ganhos nominais de 17,85% e 24,43%, respectivamente.

O diferencial entre a taxa de câmbio das cotações do Dólar dos Estados Unidos da América e a média praticada pelos bancos comerciais nas suas operações com o público foi de -0,33%, face a 0,04% da quinzena anterior, contrariando, assim, a tendência positiva do diferencial observado nas últimas três quinzenas.

Do cruzamento da cotação do Dólar dos EUA com o câmbio desta moeda no mercado doméstico resultaram cotações correspondentes a ganho nominal do Metical de 2,33%, face ao Euro e 4,32% relativamente ao Rand.

Refira-se, entretanto, que a criminalidade e a corrupção continuaram, na edição de 2011 do Índice de Ambiente de Negócios, a entravar a melhoria do ambiente de negócios, em Moçambique, segundo ainda resultados da pesquisa da empresa KPMG.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!