Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Atraso das obras da “Samora Machel”, um embaraço a economia

O atraso das obras de reabilitação da ponte “Samora Machel”, sobre o rio Zambeze, na cidade de Tete, Centro noroeste de Moçambique, poderão continuar a embaraçar, por mais algum tempo, a circulação rodoviária e afectar a dinâmica socioeconómica nacional e de alguns países do “hinterland”.

 

 

Inicialmente previstas para terminar a 31 de Dezembro próximo, depois de uma prorrogação de cinco meses, as obras daquela importante infra-estrutura só poderão terminar nos meados do primeiro trimestre do próximo ano.

Alguns problemas técnicos e organizacionais, aliados a actos de sabotagem protagonizados por alguns automobilistas que destroem o material destinado à reabilitação, são parte dos factores apontados pelo empreiteiro como sendo as principais causas do incumprimento dos prazos inicialmente estabelecidos.

O matutino “Noticias”, editado em Maputo, a capital do país, escreveu, segunda-feira, que até ao momento foram substituídos totalmente os cabos que asseguram os tabuleiros da ponte, os carrinhos e aparelhos de apoio.

“Os trabalhos de substituição e montagem das juntas de dilatação, pintura e outros acertos finais estão já em execução. Esforços estão a ser envidados para garantir que até ao fim do ano, grande parte do trabalho seja concluída para que no primeiro trimestre de 2011 as atenções possam estar viradas para obras pontuais de pequena envergadura”, disse Pearash Chandra, inspector-chefe da “Consultas, Estudos e Projectos de Engenharia Limitada (GRID)”, empresa fiscalizadora da obra.

Para além de embaraçar a circulação rodoviária, a demora que se verifica na conclusão da reabilitação da ponte também afecta a dinâmica socioeconómica da província de Tete e não só, devido ao condicionamento do tráfego de viaturas de grande tonelagem que transportam mercadorias para o projecto de extracção do carvão mineral de Moatize.

A produção de tabaco é um dos sectores prejudicados, para além da carga diversa para os países do ‘hinterland’, nomeadamente Malawi, Zâmbia, RDCongo, Zimbabwe e África do Sul.

Alguns dados dão conta de que entre 600 e 800 camiões de grande tonelagem, em média, esperam por dia nas duas margens do rio pela travessia, através da Ponte Samora Machel, com volumes de mercadorias diversa.

A reabilitação da “Samora Machel”, cujas obras estão orçadas em cerca de 980 milhões de meticais (o dólar EUA equivale a cerca de 36 meticais), iniciou em Março de 2009 com prazo da sua execução fixado em 18 meses.

Esta reabilitação é financiada pelo Governo moçambicano.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!