Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Ataques suicidas matam mais civis no Afeganistão, diz ONU

A Organização das Nações Unidas (ONU) pediu nesta segunda-feira aos grupos insurgentes no Afeganistão que parem com os ataques a civis após mais de 5 mil não combatentes terem sido mortos ou feridos nos primeiros seis meses de 2017.

A guerra no Afeganistão matou pelo menos 1.662 civis e feriu 3.581 no primeiro semestre do ano, número quase igual ao do mesmo período de 2016, disseram investigadores da ONU em comunicado divulgado na segunda-feira.

Mortes e ferimentos por ataques suicidas a bomba e outros “ataques complexos” aumentaram 15 por cento, com pelo menos 40 por cento de todas as vítimas civis causadas por ações com explosivos improvisados por parte de grupos anti-governo, incluindo ao longo de estradas.

“O custo humano dessa guerra no Afeganistão –perda de vidas, destruição e imenso sofrimento– está de longe muito alto”, disse Tadamichi Yamamoto, chefe da Missão de Assistência da ONU no Afeganistão, em comunicado.

“O uso contínuo de dispositivos explosivos improvisados indiscriminados, desproporcionais e ilegais é particularmente assustador e deve parar imediatamente”.

Em maio, um ataque com um caminhão-bomba no centro da capital afegã, Cabul, detonado por um suicida, matou pelo menos 92 pessoas e feriu quase 500, no que a ONU descreveu de “incidente documentado mais fatal” desde a intervenção militar internacional que derrubou o regime Taliban em 2001.

Nenhum grupo reivindicou responsabilidade pelo ataque.

Cabul contabiliza quase 20 por cento de todas as baixas civis deste ano.

Os investigadores dizem que o Taliban é responsável por pelo menos 43 por cento de todas as mortes de civis. O Estado Islâmico foi culpado por 5 por cento, enquanto forças anti-governo não identificadas são responsabilizadas por outros 19 por cento do total.

O porta-voz do Taliban, Zabihullah Mujahid, chamou as descobertas da ONU de “material de propaganda” politicamente motivada.

“Nós, uma vez mais, rejeitamos firmemente este relatório”, disse em comunicado. “O Emirado Islâmico é muito mais sensível e vigilante sobre a prevenção de fatalidades civis que qualquer outro lado”, acrescentou, usando o nome oficial do Taliban.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!