Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Ataques rebeldes matam 15 pessoas em cidade ucraniana

Quinze pessoas morreram neste sábado na sequência de bombardeamento na cidade portuária de Mariupol, no leste da Ucrânia, disse o Ministério do Interior do país, que culpa rebeldes separatistas e militares russos pelo ataque.

Uma testemunha disse à Reuters que a força dos bombardeios tirou a tinta das paredes de sua casa. As mortes ocorreram após a recusa dos separatistas em realizar novas negociações de paz, em um momento no qual os conflitos estão em seu ponto mais agudo em meses.

A Organização das Nações Unidas afirmou na sexta-feira que 262 pessoas morreram nos nove dias anteriores.

Sob o controle do governo e localizada no Mar de Azov, Mariupol fica na rota costeira próxima à fronteira russa com a Crimeia, anexada por Moscovo em março.

O conselho da cidade afirmou que foguetes foram disparados por rebeldes a partir de sistemas de mísseis GRAD e que atingiram um edifício com vários andares, causando um incêndio. Oleksander Turchynov, secretário do conselho de defesa nacional ucraniano, descreveu o incidente como “outro crime contra a humanidade cometido pelos militares russos e bandos de terroristas sob o total controle deles”.

O ataque foi iniciado pela manhã, afirmou por telefone o aposentado Leonid Vasilenko, de 76 anos, que mora nos subúrbios de Mariupol. “Os muros estavam a abanar, as janelas tremiam, tinta começou a escorrer. Escondi-me no porão. O que você pode fazer? Peguei o cachorro e o gato. No porão você podia sentir a terra tremer”, contou.

O ministro do Interior afirmou que 15 pessoas morreram e 76 ficaram feridas. Separatistas negaram responsabilidade pelo ataque, informou a agência de notícias Interfax.

Após os pedidos internacionais por cessar-fogo, o líder rebelde Alexander Zakharchenko prometeu na sexta-feira que suas forças realizariam uma nova ofensiva.

A ONU disse que o conflito está “em seu período mais sangrento” desde setembro, quando um acordo de paz foi firmado.

Os militares ucranianos reportaram “alta intensidade” de ataques rebeldes a posições do governo. “Grupos armados ilegais estão a tentar expandir as fronteiras de territórios controlados e remarcar a linha de demarcação para vantagem deles”, disse o porta-voz Andriy Lisenko.

O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, disse na semana passada que a Rússia tinha 9.000 soldados dentro da Ucrânia e pediu a Moscou que se retire, culpando o país pela agressão armada.

Os russos negam ter mandado forças e armas para o leste da Ucrânia, apesar de o Ocidente dizer que há provas irrefutáveis de que isso ocorreu.

Na sexta-feira, o presidente russo, Vladimir Putin, culpou “ordens criminosas” dos líderes ucranianos na sexta-feira pela escalada do conflito, que já matou mais de 5.000 pessoas.

A Ucrânia afirmou que suas tropas estão segurando a batalha contra os separatistas após sofrerem uma derrota simbólica e moral na semana passada, quando os militares ucranianos se retiraram do principal terminal do aeroporto de Donetsk, maior cidade da região.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!