Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Assinado contrato para reabilitação da Barragem de Nacala

O contrato para a implementação do primeiro grande projecto de infra-estruturas financiados pelo Millennium Challenge Corporation (MCC), uma iniciativa dos Estados Unidos da América (EUA), em Moçambique, foi assinado, segunda-feira, em Maputo.

Trata-se do projecto de reabilitação da barragem de Nacala, localizada na província de Nampula, no norte do país, cujas obras foram adjudicadas à firma sul-africana WBHO e iniciam em Agosto próximo, devendo terminar em Março de 2013.

O contrato do projecto foi assinado entre o director executivo do Millenniu Challenge Account (MCA), instituição que gere os fundos disponibilizados pelo MCC, Paulo Fumane, e o representante da empresa sul-africana WBHO, Gert Fereira, numa cerimonia testemunhada pelo Ministro da Planificação e Desenvolvimento, Aiuba Cuereneia, e pela Embaixadora dos EUA, em Moçambique, Leslie Rowe.

A barragem de Nacala foi construída em 1964, mas desde as cheias de 1982 tem estado a registar infiltração que resulta na perda de grandes quantidades de água, chegando a situar-se entre 15 a 30 por cento do volume armazenado por ano. Segundo apurou a AIM, do coordenador do projecto, a situação é grave quando se atingem os sete metros cúbitos de altura.

“Neste altura não temos problemas porque temos pouca água armazenada, mas depois dos sete metros de altura, a partir da fundação, perdemos muita água”, frisou a fonte.

As obras consistem no alteamento da barragem em mais quatro metros, construção de novo descarregador de cheias e triplicação da capacidade armazenada de 964 metros cúbicos. As obras contemplam, igualmente, o desvio permanente da Estrada Nacional Número 12, numa extensão de 1.3 quilómetros.

De acordo com o Ministro da Planificação e Desenvolvimento, Aiuba Cuereneia, a reabilitação da barragem prevê o aumento da capacidade de encaixe da barragem dos actuais 4.2 milhões de metros cúbitos para 6.6 milhões de metros cúbicos.

Este aumento da capacidade vai permitir que cerca de 90 por cento da população da cidade de Nacala tenha acesso à água, beneficiando 220 mil pessoas.

Neste momento, estima-se que o abastecimento de água naquela urbe abrange apenas 47 por cento da população. As obras estão avaliadas em 28 milhões de dólares, dos quais 1.8 milhões de dólares representam a contribuição directa do Governo de Moçambique.

“A reabilitação da Barragem de Nacala enquadra-se nos esforços do Governo para resolver os problemas de falta de água a população da cidade de Nacala. A reabilitação deste empreendimento irá constituir um incentivo para a materialização dos vários projectos da Zona Económica Especial de Nacala, e é estratégico para este pólo de desenvolvimento económico e social”, referiu.

Reconhecendo a importância do empreendimento, Aiuba Cuereneia instou a WBHO a cumprir escrupulosamente as especificações técnicas para garantir a qualidade exigida para aquele tipo de obras e “chamar atenção para o factor tempo. Prazos não são negociáveis, são para serem cumpridos rigorosamente”.

“O MCA- Moçambique tem orientações claras para não atrasar com os pagamentos”,frisou. Por sua vez, a embaixadora dos EUA disse na ocasião que o fornecimento seguro de água potável é essencial para o desenvolvimento económico.

“Nacala como cidade em crescimento e de grande importância para Moçambique vê-se actualmente condicionada na sua capacidade de fornecer água potável constante e segura à sua população. A reabilitação da Barragem de Nacala, a principal fonte de água para a cidade, constitui uma intervenção necessária e bem vinda que ira beneficiar directamente aproximadamente 220 mil residentes de Nacala e áreas circundantes”, defendeu.

Estas acções enquadram-se no âmbito do compacto de 507 milhões de dólares disponibilizados pelo Governo norte-americano, cujo acordo foi assinado em 2007. Os valores foram alocados para a realização de investimentos nas áreas de abastecimento de água, estradas, acesso seguro à terra e apoio à renda do agricultor.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!