Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
Publicidade

Aquecimento do planeta pode chegar a 7 graus até 2100

O aquecimento do planeta pode ser pior que o previsto e corre o risco de chegar a 7 graus centígrados até 2100, segundo um grupo de 24 especialistas em clima que destacaram, antes da Cúpula de Dezembro em Copenhague, a necessidade de acções rápidas e eficazes.

O Instituto de Pesquisa sobre os Impactos do Clima de Potsdam, na Alemanha, publicou na terça-feira um documento de 64 páginas que sintetiza os trabalhos científicos sobre aquecimento global divulgados desde o quarto relatório (2007) do Painel Intergovernamental de especialistas sobre a mudança climática (IPCC), e que inclui um apelo à acção imediata. “A temperatura média do ar deve aumentar entre 2ºC e 7ºC até 2100 em relação ao período pré-industrial”, afirmaram os autores do documento.

O aumento de 40% das emissões de dióxido de carbono (CO2) entre 1990 e 2008 torna mais difícil atingir a meta fixada pelos dirigentes de alguns países industrializados e emergentes de limitar a dois graus o aquecimento do planeta. “Cada ano de atraso na acção aumenta as possibilidades de o aquecimento ultrapassar os 2ºC”, advertiram os estudiosos. Segundo Hans Joachim Schellnhuber, director do Instituto de Potsdam e membro do IPCC, o relatório é um último apelo dos cientistas aos negociadores dos 192 países que devem se encarregar de discutir a protecção do planeta em Copenhague de 7 a 18 de Dezembro.

“Eles devem saber a verdade sobre o aquecimento do planeta e os riscos sem precedente que isso implica”, destacou Schellnhuber. Aos que ainda duvidam da origem humana do aquecimento, o documento de Potsdam lembra que, no primeiro quarto do século XX, as temperaturas médias aumentavam 0,19º por década, o que corresponde perfeitamente às previsões calculadas com base nas emissões de gás de efeito estufa.

Um dos efeitos mais alarmantes da mudança climática é a multiplicação dos fenómenos meteorológicos extremos, tanto em termos de temperaturas (calor) como de precipitações (secas e inundações). Além disso, pode elevar o nível dos mares. A alta actual do nível dos mares, de 3,4 milímetros por ano durante os últimos 15 anos, é superior em 80% às previsões feitas pelo IPCC, segundo especialistas. Por isso, agora, em vez de uma faixa compreendida entre 18 e 59cm de aumento, os especialistas considera que, se as emissões de gases de efeito estufa não diminuírem, o degelo dos pólos provocará a alta do nível das águas marinhas de um a dois metros até o final do século.

O degelo do ártico, 40% mais rápido que o previsto pelo IPCC, significa também que os oceanos absorverão mais calor do sol, o que, por sua vez, vai acelerar o degelo dos pólos. Por isso, o documento de Postdam destaca que, se não forem adoptadas medidas eficazes, inúmeros ecossistemas sofrerão danos irreversíveis. O desmatamento e as secas mais severas na Amazônia podem transformar, em poucas décadas, a maior floresta tropical do mundo em uma savana. Este pulmão do planeta se tornaria no maior emissor de CO2.

Para limitar o aquecimento a 2ºC é necessário que as emissões parem de aumentar entre 2015 e 2020 para, depois, diminuírem rapidamente. “Deve-se conseguir antes do final do século uma sociedade mundial sem CO2, sem emissões de CO2 nem de outros gases de efeito estufa”, é a esperança manifestada pelo documento dos especialistas de Postdam.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!