Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Após longas negociações: G4S e sindicato alcançam acordo

A empresa britânica G4S, a maior do ramo de segurança em todo o mundo, e o sindicato dos trabalhadores locais em Moçambique assinaram, Quarta-feira, em Maputo, um acordo que marca o fim das negociações que se prolongaram por cerca de quatro meses.

As duas partes sentaram-se a mesa de negociações em Outubro passado porque não se entendiam em diversas matérias relacionadas com os direitos dos trabalhadores daquela empresa que, em Moçambique, resultou da fusão de outras quatro empresas do ramo em 2008.

Contudo, os trabalhadores daquela empresa não estão satisfeitos com este acordo, apesar de se conformarem com os resultados alcançados.

O secretário do Comité Sindical dos Trabalhadores daquela empresa, João Matavel, disse que eles acabaram aceitando o acordo, mas este não responde as suas ambições.

“O acordo estragou praticamente cada vida dos trabalhadores das quatro empresas que se fundiram”, disse ele, falando a jornalistas momentos depois da assinatura do acordo, acrescentando que “em cada uma das antigas empresas, cada trabalhador tinha sua política salarial”.

Por seu turno, o administrador delegado da G4S em Moçambique, Abel Gonçalves, considerou este acto de uma “vitória” para ambas as partes.

“As relações entre os dois lados historicamente não eram das melhores. Tivemos muitos problemas”, reconheceu ele, acrescentando depois que “agora começamos uma época nova e cada uma das partes assumiu o seu desafio”.

A G4S é também a maior empresa privada de segurança em Moçambique, contando agora com cerca de 11 mil trabalhadores, espalhados por diversos serviços prestados pela firma entre elas a de vigilância estática, transporte de valores e forças armadas.

“Moçambique poderá ser negativamente atingido por esta situação, tendo em conta que ainda é importador de produtos alimentares”, disse Cuereneia, falando na abertura do Seminário sobre os Desafios do Crescimento Económico e do Emprego que decorre desde hoje na capital moçambicana.

Para Cuereneia, com esta ameaça abre-se uma “janela de oportunidades” para o aumento de investimentos na agricultura, tirando-se proveito das terras e rios cujo potencial ainda não é explorado no país.

Cuereneia disse que a materialização das perspectivas de crescimento nos sectores agrícola, mineiro e industrial só será possível com a realização de investimentos adicionais em infra-estruturas.

“A Estratégia de Desenvolvimento e o Plano Integrado de Investimento Público, ora em preparação, irão contribuir para uma abordagem mais harmoniosa do desenvolvimento do país”, referiu o Ministro.

Cuereneia disse esperar que o seminário identifique proposta de soluções para os principais constrangimentos que tem dificultado os avanços mais rápidos no crescimento da economia nacional.

Dos desafios arrolados pelo Ministro, destacam-se o desemprego e a exportação de produtos com um valor acrescentado limitado, muito embora o país esteja a registar um bom ritmo de crescimento económico, com uma produção média anual de sete a oito por cento.

“Neste contexto, o maior desafio que temos é o da transformação das nossas matérias-primas em produtos acabados para que a nossa economia tenha um crescimento mais rápido, sustentável e que crie postos de trabalho para os nossos jovens que, aos vários níveis de ensino, não têm poupado esforços para a sua formação”, disse ele.

A realização deste seminário, de três dias, que decorre sob o lema “Desafios de Crescimento Económico e do Emprego”, contou com a colaboração do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional.

O encontro visa proporcionar aos participantes uma oportunidade para a análise e intercâmbio de informação sistematizada nas áreas da agricultura, transformação económica e desenvolvimento de planeamento integrado de forma a contribuir para os debates em curso em Moçambique sobre o crescimento económico e do emprego.

O evento conta com a participação de mais de cem pessoas, entre representantes do Governo, Banco Mundial, parceiros de cooperação, académicos, sociedade civil, entre outros.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!