Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Após 1 ano, acidente da Air France continua sem explicações

Apesar de já se ter passado um ano desde o acidente do voo 447 da Air France, que caiu no Atlântico durante o voo entre Rio e Paris em 1º de junho de 2009, e sem terem sido encontradas as caixas-pretas, investigadores, pilotos e fabricante continuam sem conseguir explicar as razões da tragédia. Na próxima terça-feira, exatamente 12 meses depois da catástrofe com o Airbus A330, a companhia organizará em Paris uma cerimônia privada em homenagem às 228 vítimas, seguida pela inauguração de uma placa no cemitério de Père Lachaise.

São esperadas de 1.000 a 1.200 pessoas, parentes das vítimas, que consideram que não foram investigadas todas as pistas. “Não conseguimos entender por que encontraram apenas 3% ou 4% do avião, é inimaginável”, afirma o presidente da associação Ajuda e Solidariedade AF447, Jean-Baptiste Audousset. Quando anunciou o fim da terceira fase de buscas, Jean-Paul Troadec, o diretor do BEA (Birô de Investigações e Análises), encarregado das investigações técnicas, foi mais claro: “sem as caixas-pretas”, que registraram os parâmetros do voo, “será difícil ter uma investigação conclusiva”.

Como não encontraram muitos restos, os órgãos de aeronáutica sugerem com prudência que o avião deve ter se deslocado no momento do impacto com a água, como ocorreu com outro A330 da companhia líbia Al-Afriqiyah, quando aterrissou em Tripoli em meados de maio. Uma pista não descartada pela Airbus, diferentemente da BEA. “Se o avião não tivesse ficado intacto, não teríamos encontrado restos distribuídos de uma forma tão simétrica”, afirma Troadec.

Por enquanto, a única certeza é que as sondas Pitot que medem a velocidade da aeronave, fabricadas pelo grupo Thales, são “um elemento que contribuiu para o acidente”. “O ponto de partida é a deficiência das sondas, mas há um grande vazio entre esse fato (…) e a queda”, resume Eric Derivry, porta-voz do SNPL, o principal sindicato de pilotos da Air France.

O BEA repetiu reiteradas vezes que esse elemento não bastava para explicar a catástrofe, a tal ponto que suscitou questionamentos entre as famílias sobre sua maneira de levar a investigação adiante. “Esse acidente é um drama e um mistério para a comunidade aeronáutica inteira”, afirma Michel Guérard, um dos responsáveis pela segurança do Airbus. “Definitivamente queremos saber as causas do acidente e seu desencadeamento”, completou.

Vários especialistas destacam que o congelamento das sondas, que ficaram inoperantes no AF447, também ocorreu em outros aviões, sem que se produzisse acidente semelhante, o que faz pensar que há outras causas. “Pode tratar-se de erro de pilotagem, de incidentes técnicos adicionais, mas as mensagens Acars (emitidas pela aeronave) não reveleram.

E ninguém tem informações sobre o comportamento da tripulação”, explica um especialista da Airbus. Daí a importância de se encontrar as caixas-pretas. Espera-se que elas possam ser exploradas, mesmo depois de um ano submersas.

Já foram realizadas três operações de buscas, em vão, o que provocou a frustração de pilotos e famílias das vítimas, que querem que os investigadores continuem procurando. Essas operações já custaram 20 milhões de euros.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!