Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Angoche quer atingir 30 mil toneladasde arroz

O distrito de Angoche vai, a partir das próximas campanhas, produzir cerca de 30 mil toneladas de arroz, cifra que representa o dobro dos resultados que espera alcançar na presente safra. Para a concretização do objectivo, as autoridades locais lograram o arrolamento de seis mil hectares com potencial hídrico, que se juntam às oito lagoas de água permanente em Angoche cujos regadios, a serem montados, garantirão a produção de arroz em escala.

Miguel Massunda, director dos serviços distritais de actividades económicas em Angoche, precisou que existe naquela região muito potencial adormecido para a produção de arroz que pode cobrir, de algum modo, as necessidades alimentares da província em relação aquela cultura. Esse facto motivou, segundo a nossa fonte, a deslocação ao distrito de Angoche de uma equipa multisectorial composta por técnicos do Ministério da Agricultura, Direcção Nacional de Hidráulica Agrícola e da empresa de Electricidade de Moçambique.

A missão tinha como objectivo estudar a viabilidade da construção e reabilitação de regadios nos blocos de Muzoa, Parta e Ilotue, nos postos administrativos de Aube e Namitória, com cerca de quatro mil hectares, o que perfaz um total de dez mil, para serem trabalhados a partir das próximas campanhas agrícolas. Adicionalmente, fazer o levantamento das possibilidades de instalação de sistemas eléctricos para funcionamento de regadios dos campos de arroz nas zonas supracitadas.

Miguel Massunda referiu que a equipa concluiu que os regadios serão alimentados à base de energia da rede nacional produzida na Hidroeléctrica de Cahora Bassa em Tete,bem como através de panéis solares, sistemas operacionais em algum,as partes de Angoche. A nossa fonte referiu que Angoche regista progressos no fomento de gado bovino, totalizando, neste momento, cerca de dez mil cabeças. E que esse facto deve ser tomado como vantagem e associada ao uso de meios mecanizados aproveitada para o cultivo, concretamente, do arroz, através da tracção animal, visando não somente atingir volumes consideráveis de produção como também reduzir o esforço dispendido pelas cerca de 4.500 famílias que praticam aquela cultura.

Paralelamente, decorrem pesquisas aplicadas para apurar novas variedades de sementes de arroz , visando maiores rendimentos por hectare a partir do ITA- 312 híbrido e de ciclo curto, consequentemente com baixo índice de perdas por colheita. Segundo Miguel Massunda, as variedades aromáticas de sementes locais de arroz denominadas uibo e rafique têm um rendimento médio de 2.100 toneladas por hectare, considerado, ainda muito baixo.

A nossa fonte espera que a tradição dos produtores locais de uso intensivo de sementes de variedade local aromáticas seja quebrada para a aposta no maior rendimento por hectare com outras variedades de produção de ciclo curto, sendo, por conseguinte, necessária uma sensibilização sobre as respectivas vantagens.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!