Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Alunos tendem a cabular mais e poucos pais matricularam os filhos para a 1ª classe em 2016

Há cada vez mais alunos, mormente nos exames extraordinários, a envolverem-se em fraudes nas escolas públicas moçambicanas e os meios a que recorrem para o efeito, sobretudo o telemóvel, têm igualmente sido sofisticados para facilitar as suas artimanhas que concorrem para a descredibilização do processo de ensino e aprendizagem. Enquanto isso, os pais e encarregados de educação mantêm o hábito de esperar pelo último dia para matricularem as crianças que deverão sentar-se num bando da escola, pela primeira vez, em 2016.

O fenómeno, segundo Ivan Collinson, porta-voz do Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano, aumentou de 2013 para 2015 o que levou esta instituição do Estado a reflectir sobre o problema com vista a contorná-lo.

Neste contexto, nos exames que iniciam de 16 de Novembro a 16 de Dezembro próximos o Ministério promete apertar o cerco contra este mal que não é novo no ensino moçambicano. Ao todo serão examinados 3.103.834 educandos.

Ivan Collinson disse em conferência de imprensa, em Maputo, que dos 79.845 na 12a candidatos inscritos e submetidos a exames extraordinários, entre 17 e 21 de Agosto passado, pelo menos 407 alunos cometeram fraudes, em diferentes escolas do país, em algumas diversas disciplinas, nomeadamente Português, Física, Introdução à Filosofia e Inglês. “Mais de 92% das fraudes” foram cometidos com recurso ao telemóvel.

Nos mesmos exames estavam matriculados 1.653 candidatos da 7a classe e 24.582 da 10a , os quais não foram encontrados em situações que os desabonem. Os estabelecimentos de ensino onde os infractores foram detectados são das províncias da Zambézia, Nampula, Inhambane e Maputo, incluindo da cidade.

As escolas visadas, onde os instruendos foram retirados das salas de exames e posteriormente suspensos, são as secundárias de Mopeia, Namapa, Francisco Manyanga, Eduardo Mondlane, Noroeste 1, Lhanguene, Zona Verde e Manhiça.

Matrículas para as crianças a meio gás

À semelhança do que em acontecido nos anos anteriores, em que os pais e encarregados de educação deixam tudo para o último dia, as matrículas para o novos ingressos da 1a classe, iniciadas a 01 de Outubro corrente, ainda decorrem a meio gás.

Segundo Ivan Collinson, o Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano já tem todas actividades planificadas para o ano lectivo de 2016, cujo arranque está previsto para 08 de Fevereiro próximo, com abertura oficial a 05 do mesmo mês. Mas para evitar contratempos, é preciso que os pais inscrevam (gratuitamente) os seus filhos quanto antes.

Para o efeito, é preciso estar-se munido de um destes documentos: Certidão de Nascimento, Cédula Pessoal ou Boletim de Nascimento. Contudo, quanto às crianças que não dispõem de nenhum destes documentos, os pais podem inscrevê-los para mais tarde, até decorridos 90 dias, apresentar à escola o registo do seu filho. Pretende-se matricular 1.370.120 petizes, sendo que no próximo ano o número de raparigas irá aumentar em relação aos de rapazes. O processo termina a 31 de Dezembro de 2015.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!