Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Toma que te dou: Ajoelho-me perante Zaida Chongo

Olá Zaida, como vai você? Peço imensas desculpas por ter usado as suas desinteressadas e lindas palavras para baptizar a minha coluna, “Toma que te dou”. Quando abro o jornal e vejo aquele logotipo, renovo a saudade que sinto por si. Devia ter-lhe pedido permissão para usar esse verso límpido antes de o escarrapachar para toda a gente.

Não o fiz na devida altura e sinto, todas as semanas quando saem os meus textos imaginários e reais ao mesmo tempo, que você está presente naquele espaço. É como se estivesse a dizer-me alguma coisa cifrada, mas bela, e a beleza não se interpreta, é como o sabor do mel, não se explica. Sinto também que ao transmitir-me essas mensagens escondidas nos códigos, agradece a minha iniciativa, dessa forma eu eternizo-lhe através do meu “Toma que te dou”. Obrigado, Zaida, por não estar zangada comigo. Muito obrigado.

Escrevo-lhe esta carta enquanto de longe escuto a sua música acompanhada na guitarra pelo Carlos Lhongo, seu companheiro eterno nas batalhas de nunca acabar. Escrevo e escuto-lhe. É como se estivesse a ver-lhe naquela sua humildade, naquela sua simplicidade, bamboleando o traseiro maluco que você gostava de abanar para as massas.

Zaida, lembro-me também, neste momento, que um pouco antes de partir, a sua graça física já se tinha esvaziado. Já não era a mesma maluca que toda a gente gostava de ver e ter por perto. Olhei para si, naquele espectáculo em Pemba, em 2003, e já não tinha o fulgor na carne, mas mantinha incrivelmente a força de espírito. Bebia mesmo sabendo que já não o podia fazer.

Bebidas para despertar os seus demónios e dar às pessoas o melhor de si. E deu, Zaida, enquanto podia, até ao dia em que a rede de emalhar lhe cercou, para sempre. Lembrei-me de si hoje, como me lembro todas as semanas quando abro o jornal e vejo a minha coluna “Toma que te dou”. Lembreime de que não lhe pedi permissão para usar o seu verso e baptizar a minha coluna. Desculpa, Zaida. Peço perdão, e peço também para continuar a usar este título que me catapulta, que me engrandece, que me envaidece e me embevece. Sou seu admirador incondicional, meu amor!

Assisti ao seu funeral no cemitério de Lhanguene. Toda a cidade de Maputo parou para enterrar o corpo da rainha das massas. A copa das árvores que se erguem naquele lugar acolheram vários cachos de pessoas que queriam ver o seu caixão a descer para o fundo da terra, que lhe queriam l dar o último beijo. Os ramos de algumas dessas árvores não resistiram ao peso e partiram-se, trazendo cá para baixo aqueles magotes de gente, mas ninguém se feriu.

Ninguém se podia ferir naquele dia, Zaida, porque você estava a partir e acenava a todos, mexias pela última vez o seu traseiro maluco, agora sem a cerveja na mão, nem a guitarra do seu companheiro de inúmeras jardas, o Carlos Chongo. Partia sem nada nas mãos, veio sem nada nas mãos. Mas ficou o seu cheiro, que se vai sentir por todo o sempre enquanto o mundo existir. Zaida, não será, com certeza pelas paranóias que cometeu aqui na terra que Deus não lhe vai receber.

O seu coração é superior a tudo isso que qualquer ser humano pode fazer. Jesus virou-se para eles e disse: “Aquele que nunca pecou, que seja ele a atirar a primeira pedra!”. É isso, Zaida, muito obrigado pela visita que me fez ontem. Vi-lhe a vir, assim de longe, num descampado. Parecia um anjo, estava luzidia, tudo em si era resplandecente.

Corria ao meu encontro, de braços abertos, apelando a que eu corresse também. Fi-lo com a maior alegria. Lembrome de que nos abraçámos, caímos juntos por sobre a areia molhada de orvalho e as suas roupas me cobriam para não sentir o frio enregelador que fazia por ali. Muito obrigado, Zaida, pela visita. Para mim significa que você me acolhe com amor. Um beijo grande para si.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!